quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O que de fato penso sobre o fim do mundo – Por José Cícero

Desde que o mundo é mundo que a idéia da sua finitude tem servido como combustível às mais absurdas especulações humanas, bem como a um sem-número de teorias e outras profecias desairosas e inverossímeis. Quer seja,  como produto da imaginação de uns, ou mesmo crendices e fantasias de outros. Algo que, como se nota parece fazer parte da própria psicologia humana em sua escala planetária.

Do ponto de vista científico, não resta dúvida de que a Terra já tenha sido palco de algumas catástrofes significativas num total de cinco.  Causadoras de completas extinções em massa das espécies. Acontecimentos estes ocorridos em eras imemoriais e, que praticamente tenham inviabilizado a vida no planeta. A mais recente, conforme os estudos,  remontam a 65 milhões de anos. Época em que supostamente aconteceu o misterioso desaparecimento dos dinossauros, de longe, os maiores animais que já existiram na face da Terra.

De modo que, a ilação sobre o fim do mundo ao que tudo indica, corresponde ao um processo cíclico e natural  que, por sua vez, não está descartado de voltar a ocorrer. Principalmente diante dos atuais padrões de consumo dos recursos naturais, assim como do nível de degradação por que passam os  ecossistemas terrestres, o que tem acelerado o desequilíbrio climático e outros desdobramentos afins em todo o globo.

O que exige de todos  uma mudança radical no nosso processo civilizatório de atuação e consumo, que hoje mais do que em qualquer outra época da história, tem sido classificado como insustentável, posto que  está sendo considerada inviável e predatório.

Nada disso, no entanto, acontece do dia para a noite. Hoje, contudo, o atual arcabouço científico-tecnológico da humanidade é suficiente pelo menos para detectar com antecedência mínima uma possível ocorrência natural de magnitude catastrófica. De sorte que, tudo o mais não passa de meras especulações escatológicas tão comuns à humana raça, sobretudo quando se trata do final de mais um ano.

Haja vista que, com a globalização das comunicações somada a necessidade cada vez mais crescente do chamado sensacionalismo midiático, as notícias acerca de um suposto ‘fim do mundo’ tem ocupado grandes espaços e manchetes centrais na imprensa mundial. Fazendo com que, na maioria das pessoas, esta invencionice ganhe caráter de verdade absoluta.

Portanto, tudo não passa de falsas previsões anticientíficas, em alguns casos disseminadas por incrédulos gurus religiosos e outros tipos de embusteiros de plantão, cujas intenções ao que parece tem como mira provocar pânico e terror junto às pessoas. E quem sabe, obter alguma espécie de lucro, inclusive financeiro com a situação; notadamente os mais desavisados, leigos, fanáticos e ignorantes. Portanto, estes pseudo-profetas do apocalipse se utilizam dos mais variados argumentos na ânsia de mexer com o imaginário coletivo da população mundial.

Temos como exemplo o tal calendário da civilização Maia – o povo mais antigo das Américas, que sucumbiu com a dominação espanhola, por volta de 1520, tendo toda a sua cultura exterminada e suas riquezas literalmente roubadas. O mais incrível é perceber que mesmo agora no 3º milênio ainda existam em todo o planeta pessoas que ainda acreditam nestes tipos de invencionices. Pura abobrinhas...  que o nosso bom homem sertanejo chamaria simplesmente de “fouculore”. Ou quem sabe, de mera ‘conversa pra boi dormir’.

Não obstante, o que dissera certa feita o grande  romancista José Saramago de que ‘tudo o que dura muito, está mais perto de se acabar’. Ainda assim, continuo achando que este velho mundo  continuará por séculos e séculos existindo em suas maldades sem tamanho. Criando e construindo (infelizmente) as verdadeiras condições para o seu fim: a autodestruição.  O fato é que, o fim do mundo mais uma vez, este ano, estará prorrogado. Sua finitude continuará atrelada à maneira como os seres humanos se comportarão daqui pra frente em relação ao próximo e a mãe natureza.

Por conseguinte, todos aqueles que não têm e nem conseguem encontrar  em si mesmo, uma boa razão para viver sendo útil à vida planetária tanto quanto  para a melhoria do mundo , este já acabou há tempo. Mesmo periclitante o mundo continuará de pé ante a consciência dos justos e a ousadia dos bons.  Assim como nas boas ações e atitudes em defesa da vida das espécies sem nenhuma exceção. Numa perspectiva verdadeiramente holística e espiritual dos seres humanos em favor do sonho coletivo de justiça, igualdade, paz, harmonia e fraternidade.

A despeito de qualquer outra ilação mirabolante, que  pelo menos o  medo de um suposto ‘fim do mundo’ nos sirva quem sabe,  para estas ponderações reflexivas.

E se nem  isso for possível entre os mortais medrosos, creio que, de fato, o mundo já esteja no começo do fim. Mas apenas, para todos eles.
...........................................
José Cícero
Secretário de Cultura e Esportes
Professor e pesquisador
jccariry@gmail.com
Aurora – CE.

.......................................  
LEIA MAIS EM:
WWW.jcaurora.blogspot.com
WWW.aurora.ce.gov.br
WWW.seculteaurora.blogspot.com
WWW.blogdaaurorajc.blogspot.com
WWW.prosaeversojc.blogspot.com

Um comentário:

Celina Vasques disse...

Gostei muito de teu texto amigo poeta!
Concordo plenamente e tive na verdade uma aula sobre clima, história etc...
Obrigada por partilhar teu pensamento e tua sábia opinião com dados científicos!
Um grande abraço e te aplaudo sempre!

Google+ Followers