quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Jiu-Jitsu: Vevé Manchinha de Ingazeiras para o mundo

Mesmo sem patrocinadores e sem o previsível estardalhaço da imprensa já que se mantêm um tanto distante dos holofotes midiáticos, ele vem conseguindo se destacar em sua categoria como um dos melhores atletas do Jiu-jitsu em sua categoria, não somente do interior cearense, mas inclusive, pontuando entre os melhores do Nordeste. Prova disso é o número de vitórias que tem alcançado em quase todas as competições que participou ao longo dos anos pelo país afora. Dentre os quais, os títulos de campeão brasileiro CBLP, Campeão panamericano CBLP.  Ainda uma quinta colocação no mundial da CBJJE, bi-campeão nos desafios de lutas casadas realizadas no Cariri. Como também foi  medalha de ouro no subjj de Fortaleza até 76kg e obteve prata na mesma competição desta feita na categoria absoluta Livre. 
Foi ainda bicampeão nos open de Cajazeiras-PB e do Cariri, bem como campeão no The Best Fighters na capital cearense, campeão nos Open de Conceição-PB, do Sertão de Araripina-PE, campeão do Norte-Nordeste 2018, Vice campeão brasileiro sem kimono CDLP e vice-campeão na copa Piaui, entre outros.
Trata-se do jovem Wéverlin Fernandes - o Vevé Manchinha, 24 anos natural do distrito de Ingazeiras, município de Aurora-CE. Um jovem realmente apaixonado pelo jiu-jitsu  que desde tenra idade mostrou aptidão e desenvoltura para os esportes de contato em geral, mas que terminou optando para esta categoria em que tem se destacado na região e no além-fronteira. 
Ex-aluno do não menos famoso professor faixa preta e lutador de MMA do Cariri Sávio Montenegro, como se não bastassem as muitas dificuldades para conseguir recursos a fim de treinar e puder participar das competições distantes - Vevé Manchinha  vem também travando fora do tatame uma outra luta, quer seja, a de conseguir conciliar treinos, competições e estudos, já que é estudante do 5º período no curso de farmácia na cidade de Juazeiro do Norte onde atualmente reside. 
Apaixonado pela sua Ingazeiras onde até hoje residem os seus pais, Vevé Manchinha sempre que pode retorna nos finais de semana para rever amigos e familiares, além de matar um pouco da saudade da terra de Aldemir Martins e Alcymar Monteiro onde nascera. 
Sua notória dedicação ao esporte parece ter de algum modo  o ajudado a superar os obstáculos além das diversas dificuldades  ante a sua caminhada de sucesso até o momento.
Se tivéssemos necessariamente  que dá outro nome a este atleta do povo ingazeirense o chamaríamos  sem sombra de de dúvidas simplesmente de "superação". Como se percebe logo na primeira conversa com Vevé, é a sua confiança, sua motivação inabalável para prosseguir lutando. Um atleta movido certamente pela força incomensurável da determinação. Tudo isso o torna por assim dizer, um predestinado para vencer sempre.
Um atleta com este inegável potencial não pode continuar sem um patrocinador efetivo que o faça progredir ainda mais dentro do  atual e futuro contexto de lutas do Brasil e do exterior.
O jovem atleta Vevé precisa urgentemente de ajuda financeira a fim de que continue crescendo ainda mais no rol das suas muitas conquistas. E assim continuar muito bem  representando por este país afora: Ingazeiras, Aurora, o Cariri, o Ceará, o Nordeste. 
Como de resto, não seria normal, tampouco razoável que um raro talento como este possa permanecer lutando sozinho sem nenhum tipo de ajuda para que consiga evoluir ainda mais assegurando novas motivações de alegrias e de vitórias ao esporte brasileiro.
(Por José Cícero) 
Da Redação do Blog da Aurora.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Alerta Ambiental: ESPÉCIE EXÓTICA DE PEIXE PODE ESTAR PROVOCANDO DESEQUILIBRIO NO RIO SALGADO*

O bioma sertanejo que além de frágil é também considerado único entre todos os ecossistemas terrestres, vem sofrendo ao longo dos anos uma série cada vez mais crescente de degradação e desequilíbrio.  O que por sua vez compromete seriamente o futuro da fauna e da flora da região. Recentemente, mais um fenômeno tem chamado a atenção, sobretudo de curiosos e pescadores ribeirinhos, não somente no município de Aurora. 
Trata-se de verdadeira ‘infestação’ de uma nova espécie de peixe; ao que tudo indica exótica; já que não faz parte das espécies endêmicas que povoam historicamente a bacia hidrográfica do Salgado.
Como é possível notar, o fato representa um tácito exemplo de desequilíbrio, que geralmente decorre da presença de espécies “alienígenas” afetando desse modo, o equilíbrio natural das demais. Já que uma vez não encontrando um  predador comum a nova espécie(seja ela animal ou vegetal) termina por se propagar/crescer de maneira célere e exagerada.

Conforme os próprios pescadores, a espécie em questão começou a surgir pela primeira vez nos mananciais caririenses há pouco mais de dois anos. 
Hoje, no entanto, já pode ser encontrada em todo o percurso do rio Salgado e afluentes, de onde aliás já migrou para lagos, lagoas, riachos e açudes localizados no território aurorense e circunvizinhança.

De modo que agora é praticamente impossível não encontrá-lo em qualquer manancial da região de Aurora e adjacências. Algo que vem causando grande preocupação às pessoas que pescam, notadamente pelo Cariri Oriental. Portanto, diante de tudo isso já é possível constatar que  as espécies tradicionais estão praticamente desaparecendo, enquanto o estranho peixe está se reproduzindo de modo rápido e descontrolado.

As redes de pesca que são utilizadas pelos pescadores quando são retiradas da água vêm repletas do tal peixe que, por sinal, não possui valor econômico e nem desperta sequer a apreciação dos próprios sertanejos como alimento. Visto que, além de possuir um cheiro esquisito e sabor desagradável se mostra bem duro ao cozinhar.  

Há quem diga que o peixe é oriundo do rio São Francisco e ninguém sabe ao certo como chegou até aqui. Os sertanejos o chamam por puro apelido de “Camborja” e/ou de “bufão”(fotos). Outros, mesmo erroneamente, o denominam de “cascudo”, posto que pela aparência anatômica deve ser parente próximo do verdadeiro Cascudo e do Cari – estes sim há tempos habitam as águas de parte dos rios do Nordeste e, sobretudo de toda a bacia do Salgado.

E, por ser parente do Cari pode se tratar de uma nova espécie de peixe recém descoberta por estudiosos no rio São Francisco que o denominaram de Hisonotus bocaiúva, ou ainda, quem sabe, mais uma derivação deste. 
Portanto, por absoluta falta de maiores dados, inclusive científicos, sobre este peixe, esta sua suposta identificação enquanto espécie constitui apenas uma mera especulação. O certo é que, o espécime  precisa ser urgentemente estudado para que se possa traçar o seu  verdadeiro e necessário perfil biológico. E, quem sabe, uma tomada de providências.

Muitíssimo semelhante ao Cari, o ‘Camboje’ ou 'bufão' mede aproximadamente de 18 a 22 mm. Possui casca dura, barbatanas, boca na parte inferior da cabeça, uma crista enorme nas costas(bem no meio do corpo) duas nadadeiras poderosas que o faz, inclusive, se movimentar arrastando-se com rapidez e facilidade fora d’água. 
Respirar fora da água(ao que parece) não constitui nenhum problema para o “Camborja” (Hoplosternum littorale;, pois não morre fácil. Há quem afirme que ele sempre sai da água para procurar alimento nas margens.

Assim, como pouco se sabe sobre ele, sua forma de alimentação é praticamente desconhecida. O temor é que ele esteja se alimentando dos alevinos/filhotes das espécies naturais do rio, ou mesmo dos ovos na sua fase embrionária. 
O certo é que o seu crescimento rápido e desordenado vem contribuindo com a diminuição e (até) mesmo com o desaparecimento das espécies nativas da bacia. A disputa desigual por alimentos também constitui  um fator importante na cadeia que ajuda a entender a razão do possível desaparecimento do pescado local.  Muitas espécies nativas já podem, inclusive, estarem extintas.

Contudo, o aparecimento do tal peixe se soma a outros fatores preponderantes para o atual processo de desequilíbrio e degradação da fauna e da flora aquática da bacia do rio Salgado. Quer sejam, a construção desregrada de barragens ao longos dos anos e do rio, o desmatamento da desenfreado da mata ciliar, o uso indiscriminado de agrotóxicos nas lavouras às margens do rio, a poluição hídrica ocasionada pelo derramamento de esgotos domésticos, hospitalares e industriais, a pesca predatória, o assoreamento e mais recentemente, a construção de moradias praticamente nas ribanceiras do Salgado em muitas cidades.

Que os órgãos competentes possam se debruçar o quanto antes sobre mais esta complicada problemática ambiental do nosso Cariri; do contrário teremos o desaparecimento total de todas as espécies endêmicas do nosso rio Salgado. 
Estamos adentrando o ponto limite, de forma que, ou resolveremos a questão do Salgado agora, ou daqui a pouco será um caminho sem volta.

...................
Prof. José Cícero
Aurora – CE.
fotos Jc
Informe: https://pt.wikipedia.org/wiki/Tamoat%C3%A1

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

CEL. ISAÍAS ARRUDA – 90 anos de morte UMA CARTA DO ALÉM...*

Meus amigos!
Deixai que o tempo e a história pacientemente julguem ao seu modo, todos os seus homens, porque os homens de carne e osso, até hoje e em geral são lobos e inimigos de si mesmos.  Por conta disso, sequer com um pingo de justiça e de juízo, jamais conseguiram julgar ninguém.
Apenas vinte e oito anos de vida eu vivi. Tive o tempo necessário para alcançar na vida, o que a eternidade da história exigiu de mim. No fundo eu sei, que o preço que sempre se paga quando não se é compreendido por mais que se queira é demasiado.,, Ainda, deveras grande, o castigo de ter que aprender com seus próprios erros na vida e com os lajedos quentes em que se pisa, a robustez da alma e dos sentimentos. Crescer nas agruras e nunca reclamar em vão da dor. Tampouco, não se entristecer tão fácil diante dos sofrimentos mais agudos. Nunca abdicar de fazer o que por necessidade já se parece imperioso e preciso. E assim a alma da gente se depura, eu imagino,
Nada temi no mundo, senão a falsidade dos amigos que, acaso confiei em qualquer momento. E que eu diria ainda agora, que me foram tão poucos e muito caro.
Viver é isso. Quer seja, provar o tempo todo deste risco iminente que nos ronda dia e noite como um cão danado latindo alto no nosso quengo. Como igualmente, desse gosto amargo que nos molha a língua o tempo todo. Fel e sangue que nos enchem a boca justamente nos momentos mais difíceis e determinantes, tanto na sobrevivência do dia a dia, quanto no derradeiro instante. Quando nos afirmamos ou nos arrependemos do que fizemos.
Travei o bom combate do meu jeito. Diria que, a ferro e fogo. Sem nunca dizer “amém” ao tal destino que pela vida inteira me fizera acreditar que estávamos para todo o sempre condenados ao sofrer, sem dó nem piedade.
Há quem diga que fui por todos estes anos, um inveterado fazedor de inimigos. Mas não. Eu apenas me fiz respeitar e, quando preciso usei dos meus métodos mais ferrenhos. Impus aos inimigos as regras duras e infalíveis do meu jogo. Quem assim mesmo me desafiou e decidiu por jogar comigo, sabia disso. Perdi muito pouco. Como pouco ou quase nada foi a minha disposição para aprender o sentido de qualquer derrota.
Sempre soube que na vida tudo tem um preço. Vencer a qualquer custo foi sempre o meu prumo. Mas somente diante do esforço e do trabalho empreendido. Conquanto, foi este o meu maior desiderato. O meu sentido prática de estar de fato vivo e útil entre os cães do mundo. Nunca dormi em paz com qualquer desaforo não resolvido, 'freviando' na minha cabeça como piolho. Não gosto de senti minha alma em parafuso. Resolvi todos eles sempre no calor dos próprios fatos acontecidos. Pois, para mim desaforo é comida que se come quente. Porque depois dá congestão e bucho inchado. 
Penso que, ‘perder’ ficou mesmo para os fracos. Os piedosos desmiolados. Os ingratos. Os preguiçosos. Os covardes. Os que em vão imaginam ainda agora com medo dos pecados, aplacar nos seus corpos frágeis as próprias chagas de Cristo. E que por conta disso, se puseram de joelhos diante dos seus impiedosos carrascos. 
Todos aqueles para quem a vida não passara de uma noite insone de 'malassombro' e medo. Os que se deram ao sofrimento mundano como algo predeterminado e merecido. Os vassalos ingênuos. Os que se acostumaram demais com o sofrimento a guisa de castigo merecido. Os que se benzem até diante de jumentos mancos quando passam pelas encruzilhadas dos caminhos.
Não fui bandido como dizem. Fiz-me forte apenas com as armas que estavam ao meu alcance para assim não ser tragado por toda sorte de violência dos poderosos. Os que nunca me aceitaram como um deles, sequer em fazer uso da tal alcunha de “coronel”. Uma eguagem sem tamanho. Porque muito mais que o “coronel” sisudo gritou forte dentro de mim a voz altiva do jovem homem sobremaneira indignado com as mentiras, as injustiças, a violência e a dureza bruta de uma realidade no mais das vezes, fabricada de propósito para oprimir os que a desdita da vida já os oprimiam além da conta..
Lutei, portanto, com unhas e dentes, contra a minha sina e a imposição dos que se achavam grandes o suficiente para querer escravizar as gentes desse meu mundo chamado sertão. Os que mais sofriam pagando, inclusive, o alto preço por se manterem vivos e abnegados sobre aquele ressequido chão.
Eis a maldição de nascença a que todos os miseráveis dos sertões, acreditavam estar, de algum modo condenados. E assim, me impus ao suposto determinismo da ordem natural das coisas. Não me deixando jamais ser escravo de seu ninguém. Principalmente quando me dei conta de que o paraíso prometido pela resignação dos sertanejos, não estava noutro lugar, senão ali mesmo, onde eles todos sofriam. Fiz, portanto, o que foi preciso para conquistar o meu lugar no tal paraíso. Quem sabe, um pacto de sangue com o ser esperançoso que habitava minhas entranhas. 
Nunca culpei ninguém(senão eu mesmo) pelas escolhas ou pelas lutas que enfrentei. Nem Deus, nem os santos, nem os anjos, nem o diabo. Sempre fui o principal sujeito de todos os meus atos. Êxito ou fracasso há de ser tão somente uma questão de tempo e de oportunidade. Só a essência das coisa me interessavam.
Confesso até que me dei bem, com as opções que fiz e as decisões que tomei. Tive sucesso na minha ousada empreitada de quase três décadas de existência terrena. Quis rapidamente concretizar todos os projetos que sonhei. Tomei gosto pela coisa.,, Segui em frente a passos largos. Acho até que perdi por algum momento a exata noção do limite na dimensão do meu próprio tempo. Tinha pressa de viver e de conquistar o quanto antes, o galardão a que me propus buscar.
Juntei num só espaço ousadia, inteligência e coragem. Logo progredi, ao tempo que também comecei a colher os meus primeiros frutos e um montão de inimigos(diga-se de passagem). Despertei o ódio e a inveja de muitos ricos da região. Minha fama começou a romper fronteiras. De modo que precisei arregimentar de chofre, a minha proteção. Foi o que fiz desde então. Crie também meu bando de proteção pessoal.
Cresci num tempo e num ambiente onde não era comum sequer acreditar nos sonhos. Onde e quando só se podia ser grande de verdade pela força do dinheiro, da violência e do poder político. Custei um pouco para aprender tudo aquilo. Mas, logo superei todos os demais...
De menino pobre, filho de roceiro esquecido no oco do mundo; lavador de cavalo dos potentados nas águas do rio Salgado durante as missas dos sábados e nas feiras do domingo; cheguei ao posto de delegado. Tendo aprendido a ler por mim mesmo, quase num piscar de olhos orientado pelos padres que vinham para Aurora nas festas do padroeiro.
Nasci e cresci às margens do rio Salgado. Tempos difíceis aqueles. Mas o destino havia me reservado algo. Até o dia que um juiz da capital, sob o pedido de um influente padre me fizera delegado. E eu correspondi bem neste ofício. Muito aprendi e em seguida me rebelei pela primeira vez no mundo.
Revoltei-me contra tudo o que eu até então achava injusto, mentiroso e errado. Terminei assim por acabar uma eleição na bala,  na terra em que nasci. Perdi por causa disso o meu primeiro emprego. Corri para não morrer. Fui me esconder na vila do Juazeiro. Aproveitei para pedir conselhos ao padre Cícero. Disse-me que eu não era disso. Pediu-me prudência e eu, nem mesmo um resto de fé tinha mais para lhe oferecer. Logo em seguida terminei por me fixar em Missão Velha. Julguei ser ali um bom lugar. Fiz amigos, correligionários e levei parentes para lá morar.
Fui um homem de diálogos. Fiz contatos. Peguei o trem, fui à capital. Falei de eleição e de inusitados projetos políticos. Gostaram de mim. Estariam do meu lado(claro) sempre que eu vencesse. Já me era algo. 
Voltei animado, com novo fôlego e até com um pouco mais de prestígio e de dinheiro na algibeira.
Refleti assim que cheguei. Conclui que precisava de uma pequena guerra para alicerçar de vez a minha paz. Uma ferroada de marimbondo, quem sabe, para o necessário despertar dos adormecidos dos grotões.
As armas de fogo eu conseguiria fácil na terra do padre. Lá eu fiz alguns amigos que também se aliaram ao meu propósito. Mas tudo estava guardado no mais completo dos segredos. Correram-se os dias, finalmente.
Tudo o mais era mistério. Quase um previsível milagre dos acontecimentos; fácil como se fosse mel de engenho a escorrer aos poucos pelos dedos sujos de doce dos meninos. Chegara por fim o momento oportuno que eu tanto queria.
Logo percebi que pelo Estado inteiro o poder da força também estava a fazer seus prefeitos. E, decerto, vi que nenhuma lei se rebelava contra aqueles novos acontecimentos. Estava aberta a porta que me levaria ao paraíso ou até mesmo ao inferno que eu não mais desejava. Não poderia eu, perder a única chance da vida de montar de vez a mula selada que passava a minha frente. Não titubiei. Criei coragem. A sorte estava lançada. Naquele instante, não cabia em meus planos de conquistas o medo da vida e nem da morte. Não podia mais retornar. 
Não sei se porventura Deus naquela hora decisiva me olhava. Mas penso que ele depois me batera palma. Pois, nenhum homem que se preza pode mentir para si mesmo sobre as coisas que confia e acredita.  E Deus sabia disso, em relação a mim. Minha sinceridade era do conhecimento dele...
Fui em frente. Sem, no entanto, perder mais tempo com  questões relacionadas ao sagrado ou ao profano. Porque na história o que mais interessa é o próprio homem.
Acerquei-me de armas, de cobre e de alguns amigos que confiei naquele instante. Parti. Fui aos finalmente. Expulsei os dirigentes. Destitui sem muito diálogo e com a persuasão de alguns tiros o cel. Senhor Dantas do comando da cidade. E não o que acaso o povo possa pensar dele em qualquer tempo. De repente, estava eu prefeito. Mas não esqueçam! Em seguida fui eleito. 
Fortaleza me deu votos de parabéns e eu, me animei. Abiscoitei rapidamente fama e prestígio. Acreditei na razão da força do meu juízo para amestrar do meu jeito, a ignorância dos homens. Estava fascinado pela primeira vez com o poder que conquistei. Desde então, não sei por que cargas d’água todos passaram de repente a me chamar de coronel. Achei esquisito, mas asseguro-lhes que gostei.
Choveu em meu entorno novos amigos e, com os quais, também a proporção numérica dos meus inflexíveis inimigos. Mas eu nunca confiei sem as devidas reservas em nenhum deles. Nem nos que me diziam amigos sendo inimigos, tampouco nos que, mesmo sendo inimigos, às vezes me eram mais dignos e mais sinceros do que aqueles. Razão porque até hoje desconheço qualquer homem sábio que seja feliz e viva bem sem ter que conquistar a duras penas seus verdadeiros inimigos íntimos. 
A meu ver, são um desastre, todos os que imaginam que ao seu redor só existem amigos. Confiar na lealdade no escuro é um tremendo perigo. Um pecado. Uma estupidez sem tamanho. Os que assim pesam estão  definitivamente fadados ou ao fracasso ou quando muito ao anonimato.
Bando de jagunços do Cel. Isaías Arruda
Na função de prefeito, depressa me tornei fazendeiro. Dono de terras. Criador de gado, produtor de cereais. Diria que um homem relativamente rico com tino para ganhar dinheiro nos negócios. Quase um predestinado como diria mais a diante  governo.
Como disse, quando me senti invejado e perseguido pela ira dos inimigos criei meu bando de proteção. Jagunços mesmo... Mas modestamente disciplinados sob as duras ordens do seu comandante. Todos bem pagos, confesso, pelos bons serviços prestados. Muito melhor do que os que uma vez compunham o bando do tal Cel. Inácio Zé Inácio. Confiei o comando ao amigo Zé Gonçalves. Um dos homens mais inteligentes e leais que conheci na vida. Que mesmo sem nenhum estudo sabia muito e, muito igualmente, aprendi com ele. Ademais, quem foi bom vaqueiro na caatinga braba deste mundo haveria de ser também um bom condutor de homens rudes. E o foi sem par. Muito do que fiz confidencie(quando deu) com ele.
Ainda quanto ao bando, não nego que à distância fizeram aqui acolá algumas estripulias. Algumas sem o meu apreço ou conhecimento. Outras com meu crivo quando era absolutamente necessário. Como da vez que puseram fogo e destruíram a ponte do trem no Olho d’água nas proximidades de Ingazeiras. posto que mexeram comigo os chefetes da RVC e ainda cometeram a desfeita de romper o contrato sobre o fornecimento de madeira que firmamos. Como ainda, se negaram a pagar o resto do dímetro que me deviam por direito. 
Por conta disso fiquei de mal com o então governo que prometera me processar e retaliou o diabo a quatro. Uma vez tive que expulsar do bando, alguns cabras por andarem brigando, criando problemas sem ser preciso...
O grupo também se precipitara quando resolveu dá cabo do João Paulino - chefe dos irmãos Paulinos d'Aurora. Mas nada disso me impôs medo. Toda minha vida foi administrar conflitos e desafiar  mim mesmo..  
Ninguém me amou no mundo, além da minha Estelita com quem casei no início da década de 20 na Aurora. Além da minha pequenina Orlandina, minha filha. Só por causa delas, vez por outra, sentir o raro temor de morte repentina.
No mais, posso dizê-los que o cangaceirismo entrou na minha vida mais por acaso do que por necessidade. Foi, por assim dizer, um acidente de percurso. Ou ainda, um ato falho. Mas, tudo o que foi  é porque era mesmo para ter sido. 
Explico: o bando que formei para me proteger dos inimigos em umas das suas incursões mais distantes terminou por conhecer outras gentes por aí, Assim, me trazendo notícias de Décio Holanda do Pereiro, Júlio Porto e Massilon. Por sinal, foi por intermédio deste último, que acabei por conhecer o próprio Lampião. Num encontro acertado numa manhã de sábado na fazenda Ipueiras de minha propriedade na Aurora, confiada aos cuidados de Zé Cardoso, meu parente.
Nada se diz, mas naquela reunião havia mais gente interessada no lucrativo negócio de invadir Mossoró. Uma empreitada que não geraria apenas lucros financeiros, mas acertos de contas, desejo de vingança e muitos dividendos  políticos para tantos outros no seu entorno. 
Após a  reunião predita, Lampião, homem experiente, não quis ficar na referida fazenda. Segundo ele, seria um alvo fácil para os seus perseguidores(as volantes que vinha desde Mossoró no seu encalço). De fato, a fazenda(Ipueiras) ficava bem nas proximidades da cidade. Preferiu então, o capitão, o seu antigo coito... Um esconderijo estratégico bem no alto do inóspito serrote do Diamante, sob os prestimosos cuidados do vaqueiro Miguel Saraiva.
Pediram-me para aquela  empreitada, além de homens, alguns animais de monta, armas, munição e dinheiro. Acenei com tudo. Apenas solicitei que mantivessem segredo, isto é, deixassem meu nome distante dos acontecimentos.
Final de junho quando, enfim, partiu o bando sob o comando do afamado rei do cangaço. Nem sei como o capitão Virgulino se deixou levar pela conversa mole daquele tal de Massilon Leite. Um aventureiro falastrão querendo ser jagunço a pulso, porém, mais parecia um caixeiro-viajante tangedor de burros e jogador de carteado. Penso, contudo, que o capitão fora mais por curiosidade de conhecer de perto em seus meandros as terras do riogrande, do que pelo dinheiro que lhe prometeram.
Em meu compromisso firmado sob a forma de patrocínio vos garanto, não tive nenhuma culpa pelo ocorrido, visto que eu também fui convidado e, por isso mesmo enganado acerca de um suposto lucro fácil. Além de prestar favor a uns amigos distantes. Emprestei meu dinheiro, pouco mais de 30 contos de réis contados, com a garantia de que era um investimento exitoso e seguro. Não tive outro interesse na tal invasão da povoação potiguar. Nem tampouco, do que fizera antes pelos caminhos, Massilon aquele mentiroso desgraçado.
Naquele fatídico dia 13 estava eu em Missão Velha onde era prefeito. Fiquei sabendo dias depois pelo trem, acerca grande ato malogrado.  Não esperei muito. Antecipei-me aos fatos logo que percebi que Lampião estava em perigo e uma vez acuado pelas volantes de três estados, voltaria certamente para o coito da Ipueiras e Diamante. 
Peguei o trem. Rumei para à capital. Fui ter com Moreirinha meu aliado político; chefe do Governo, então presidente do Ceará. Novamente expliquei-lhe meus planos.  Ele aquiesceu deveras comigo. 
Agora, além de livrar meus couros do fracasso iminente de Lampião com seu bando, negociei outros possíveis lucros com o Governo. Moreira da Rocha tinha interesse em dizer para todos que deu cabo dos facínoras e temíveis bandoleiros nordestinos. Os jornais da época não falavam de outra coisa.De modo que deixou tudo a cargo do major Moises, curiosamente, meu parente.  
Voltei. Dei ordem à Cardoso. Falei-lhe dos últimos acontecimentos e das consequências do tal fracasso. Era teimoso. Não achou razoável a linha dos procedimentos. Pensava como Moises. Tinham eles, uma outra linha de raciocínio.  
O major pedira-me num bilhete rabiscado; que eu me aquietasse e deixasse as coisas sob seu tirocínio. Mantive-me mesmo assim preocupado com o ocorrido. Não me agastei. 
Retornei à Missão Velha. Deixei que Viana o agente da RVC de Aurora me pusesse a par de todos os vindouros acontecimentos. Voltei de troler já que não era mais prudente esperar o trem do outro dia. Eu precisava correr contra o tempo...Foi o que fiz.
Depois de Limoeiro, a coisa ficou mais preta. Jornais davam conta de que a morte ou prisão de Lampião se daria a qualquer momento. ‘Mas o homi era muito esperto, um verdadeiro preá das caatingas’. De todos os fogos e dos piquetes, malgrado os pouquíssimos homens que ainda lhe restaram e, acossados pelo cansaço, a fome e a pouca munição, ele ainda assim saíra ileso de todos os conflitos. Mesmo em absoluta desvantagem de armas e de homens. Era de fato, insuperável na sangrenta batalha do seu mundo catingueiro. Não dava tiro à toa. Munição pra ele naquele momento  era ouro.
Como supus, vinha mesmo na direção da Aurora. Atravessara por fim, a serra da Várzea Grande. Venceu o fogo que se deu no Ribeiro no riacho do Bordão do Velho. Amanheceu com seus cabras já nas matas seguras da Ipueiras. Mas, deixei ali tudo pronto.
O trem da volante já estava estacionado na estação esperando Lampião e seus comandados, vivos ou mortos. Major Moises ainda se mantinha distante demais do palco do conflito. 
Nascera o novo dia...E quando enfim, o sol apontou seus primeiros raios: Um intenso tiroteio deu as boas-vindas para o bando. Lampião gritou: 
- Fomos traídos cambada! Viva Jesus Cristo e o padre Cícero do Juazeiro! 
E os cangaceiros em uníssono lhe responderam: 
- Não temos medo. Deus seja louvado, capitão! 
Em disparada corriam atirando pra todos os lados. E,  quanto ao veneno, aquilo foi ideia de Miguel, o tal vaqueiro.
Porém, esperto demais, Lampião não caiu em nenhuma dos engodos tramados. Quando se deu conta dos tiros e, em seguida do incêndio no baixio; empreendeu fuga com seus homens pela margem direita do velho açude. 
Cardoso depois me contou tudo em detalhes...
Danado. O major ainda continuava longe demais dos fatos concretos.
De certo modo, fiquei feliz em saber da fuga do capitão, que não nego, era meu amigo. Fui seu coiteiro, afora esta vez, asseguro, ele nunca foi embora sem me deixar um bom dinheiro.
Não me enraivo quando me chamam de bandido, mas juro que me dói por dentro quando me  têm como traidor e covarde. Não foi nada disso, eu vos prometo que não minto. Em nome de Deus ou dos seiscentos diabos!
Perdi um amigo. Acrescentei na minha lista mais um considerado inimigo de vulto e peso.
Deixei-lhe até uma carta escrita contando tudo(tim tim por tim tim) sobre o meu aperreio e tudo o mais que se passou comigo. O portador, uma ex-vaqueiro das Emboscadas não chegou a tempo de entregá-lo no cruzamento da linha do trem depois da Ingazeiras pras bandas do Morro Dourado, quando Lampião fugia na direção de Milagres e Mauriti rumando, enfim, na direção Conceição de Piancó na Paraíba.
Nunca mais o vi. Apenas tive aqui acolá, algumas notícias vagas dando conta da sua passagem pelo Coité, dizendo um dia se vingar de mim. Um padre foi quem me trouxe este recado. Desde então me preparei pra isso. Fiquei de olho na Lagoa do Mato na serra da Goianinha.
Não sei até hoje se por conta de tudo disso, posso dizer seguramente, que estou em paz com Deus e com os homens. Só sei que a vida não me foi tarefa fácil. Foi preciso ser fogo e pedra para conseguir chegar aonde cheguei. Isso é fato.
E, não obstante todos estes acontecimentos fatídicos, como então se daria a história do fim?
Passei o resto daquele ano remoendo estes tormentos. Veio o ano de 28, meados dos meses de julho e agosto... A velha rixa com os Paulinos e os Santos da Aurora não me deu nenhuma trégua. Parecia um imbróglio que não tinha mais fim.
Quando parava e se arrefecia um pouco era porque estava a tomar novo fôlego. Eu tinha efetivamente que preparar chumbo grosso. 
Viana sempre me cobria de informações e de cuidados enviando-me recados escritos, ou notícias pelo código Morse da estação do trem. Adoecera naqueles dias o agente.
Eu não via poder de fogo nos Paulinos. Faltavam-lhes um pouco mais de coragem e muito dinheiro. Contudo, é mister saber que os grandes inimigos nunca dormem. E eu os subestimei neste quesito, pois nunca é prudente permitir que os inimigos se reúnam contra  a gente sem uma peleja atras da outra. Havia uma trégua estranha.
Os paulinos foram usados por muitos dos meus inimigos, inclusive gente grande daqui e do além-fronteira.
Tudo parecia tranquilo. Porém nunca gostei quando avistava um céu de chumbo no horizonte. Nem urubus brincando sobre minha cabeça. 
Mais uma vez viajei à capital. Tinha muitos negócios a resolver. Dias tranquilos aqueles. Edifiquei grandes obras sociais na Missão Velha. Novos correligionário estavam do meu lado. Estava feliz, como nunca estive.
Na volta de Fortaleza contabilizei bons lucros, inclusive políticos. Namorei, visitei amigos. Esqueci um pouco das intrigas da minha vida cotidiana. Vinha na companhia dos primos.
Viana há dias que não fora ao trabalho na estação do trem. Estava doente me disseram o cobrador e o maquinista. Fiquei assim sem suas notícias acerca do que se passava na terrinha. Alheio demais dos acontecimentos.
Estelita tinha até pedido para que eu deixasse a política e fôssemos morar de vez na Fortaleza. Que eu poderia me tornar na terra de Alencar um grande comerciante. Fiquei de pensar qualquer dia em tudo aquilo. Ela adorava contemplar o mar. Era filha daquele litoral bonito. 
Nossa filhinha Orlandina haveria de crescer muito bem, sob os ventos saudáveis e frescos do grande mar. E aprender muitas letras. Pensei nisso durante a viagem. Queria mudar meu rumo e fazer novos planos...Mas não é tão fácil assim a gente não ter que aceitar de bom grado o seu destino.
Cochilei um pouco. Nem vi quando passei nas Lavras. Só despertei no riacho fundo(na pequena estação do Iborepi). Em seguida, fiquei tagarelando umas amenidades que não lembro. Quando me dei conta o trem já adentrava a bela  paisagem de Aurora ladeada pelo rio que parecia correr ao contrário do trem. Na estação de Aurora eu iria descer tomar um café e talvez rever algum amigo. 
De repente, quando o trem ainda deslizava sobre os trilhos. Um barulho de gente... Senti um cutucão na constela. Outro e mais outros. Seguida de uma sensação de frio e um formigamento na barriga. Um afã no peito. Uma tontura. Um repentino cansaço. Uma falta de ar. Um gosto diferente na boca.
Quando em seguida, vi a cor do meu próprio sangue pintando de vermelho a parte inferior do linho meu terno cinza. Fortes pisadas sobre o assoalho do vagão onde eu estava. Som de batidas nos acentos. Uma correria. Uma gritaria de gente dizendo: - É tiro, é tiro!
Tentei pegar a arma que eu trazia comigo. Não deu tempo. Tampouco tive a força necessária em minha mão para segurá-la no tempo devido. Pela janela vi o meu primo correndo na direção da rua. Estava em perseguição dos meus agressores. Meus antigos inimigos aurorenses.
Tentei sair da ali. Mas foi em vão. Apenas alguns passos na direção da porta de acesso à plataforma... Sustentado sob os braços das pessoas desci do trem. Puseram-me sobre a pedra morna da velha estação que muitas vezes pisei altivo com meus passos firmes. Estava então abatido como um pássaro canoro em seus últimos estertores. Mas eu estava calmo. Não era medo o que eu sentia naquele instante. Era saudade e desilusão da vida.
E, assim mesmo sob a rês do chão ainda enxerguei, ao nível dos sapatos e dos chinelos da multidão que me cercava o céu do mundo daquela Aurora pela última vez.
Roucamente com a voz cansada ainda expressei: - Covardes, covardes! 
Ao que respondeu meu outro primo: - Foram os paulinos Isaías, foram os paulinos. – Mas eles vão pagar por isso, completou.
Ainda vi também o farmacêutico dizendo: 
- “o estado do coronel é grave. Chamem depressa o dr. Sérgio Banhos de Iguatu. Avise ao pessoal de Missão Velha. Pois estar muito grave o coronel. Mas ele é jovem há de aguentar, quem sabe.” dissera ele.
Quase sem visão, ainda me foi possível vislumbrar o meu velho amigo Augusto Jucá, pedindo para que me levassem para a sua casa. Depois adormeci. Sem senti nenhuma dor. Apenas com uma sensação estranha de quem ia morrer assim, tranquilamente, logo que os olhos se fechassem e quando dormisse. Dormi suavemente...
Era uma tarde morna do dia 4 de agosto de 1928. Um ano de muitas mudanças em que todas as promessas acumuladas por minha vida inteira iriam ser realizadas de vez em minhas mãos.  Estava disposto a mudar.
Nada mais que se diga.
Nada puderam fazer os dois médicos(Banhos e Antenor) que me assistiram durante os quatro dias que ainda tive de vida.  
Durante todos aqueles dias, homens disfarçados de bêbados retirantes, mendigos e de vendedores de cavalos ficaram pelos arredores da cidade, bem como no entorno da estação e da residência em que eu me encontrava moribundo. Homens dispostos e de confiança armados até os dentes, com a missão de garantir a minha segurança e, que também tentaram vingar a minha desdita.
No dia oito daquele mês, o bando estava pronto para invadir pela região de Ingazeiras o lugar onde moravam meus assassinos. Mas, minha familiar ordenou que não.
Parti finalmente às 6h da manhã do dia 8 de agosto daquele ano. Meu corpo foi de troler para Missão Velha onde uma multidão entristecida me esperava pela derradeira vez na mesma estação em que tantas vezes cheguei com boas notícias e grandes novidades. 
Fui sepultado à tardinha após a missa, no antigo cemitério da terra em que fui prefeito e que também amei.
Quis o destino, todavia, que na mesma terra em que nasci se findassem os meus dias. 
Foi assim que tudo aconteceu de verdade. Tudo o mais, ou é incompreensão subjetiva dos fatos ou pura má-fé dos que não aceitaram até agora o necessário acerto de contas do passado com  o presente e o futuro, sob o pano de fundo da história.
E lá se foram 90 anos... Ainda tem quem não acredite na eternidade.
Um forte abraço.
De algum lugar do passado.
Cel. Isaías Arruda de Figueiredo.
....................
José Cícero
Aurora – CE.
¨    www.prosaeversojc.blogspot.com
(*) Carta Ficcional a pedido do amigo e também pesquisador  do cangaço 
Jair Tavares de João Pessoa-PB.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Documentos para à história de Missão Velha - Um cabedal de memórias e de raiz...

A história escrita há de ser a melhor maneira(senão a única) pela qual os homens de coragem e de grandeza se eternizam e se projetam muito além do tempo e do espaço em que se inserem as  ações humanas.  De modo que, a perenidade das suas memórias representa por isso mesmo, a nave-mãe atemporal  que lhes possibilita esta viagem maravilhosa pelas veredas infinitas e inquebrantáveis da única eternidade possível. Quer seja - sua própria história descrita e documentada como forma de preservá-la incólume e intacta  às gerações do agora e do porvir. 
O livro, portanto, como uma das mais interessantes invenções da humanidade constitui(também nesta caso) a grande prova desta  assertiva incontestável. A luneta mágica e o martelo com os quais os escribas e os poetas  enxergam longe verdades extraordinárias, sonham utopias e, desse modo agudo e valente constroem coisas belas. Razão porque reputo da mais alta importância a publicação da obra de estreia deste conterrâneo amigo e confrade - memorialista de mão cheia,  João Bosco André. Pesquisador incansável  da rica e robusta história missãovelhense, não apenas a oficial, em geral escrita pelos vencedores, porém aquela que ainda se mantêm na penumbra dos tempos; cunhada muitas vezes à ferro e fogo pelas próprias mãos ensanguentados dos oprimidos dos sertões.
Seu trabalho, portanto, intitulado de: "Documentos para à história de Missão Velha" tem tudo para se constituir como um fonte de leitura obrigatória onde haverão de se fartar de saberes e conhecimentos historiográficos todos os que apreciam saber sempre mais acerca das coisas que marcaram, não somente a história de sua terra, mas, igualmente, de boa parte da região do Cariri. Vez que muitos fatos  se  mantêm concatenados como um autêntico cipoal de acontecimentos e vicissitudes cronológicas.
Não obstante o cansativo trabalho, que julgo ter sido para à feitura deste livro - 'Documentos para à história de Missão Velha', há de ser na acepção lídima da palavra, uma obra realmente seminal,  posto que concentra no seu bojo, decerto, informações precisas e inéditas de boa parte da palpitante casuísta da fenomenologia história da terra de São José dos Cariris Novos. Consubstanciada no livro que agora vem à lume para a alegria de todos nós. O que bem demonstra, além da lucidez dos documentos garimpados ao longo de anos, também a riqueza dos detalhes e das informações precisas e criteriosas inseridas na obra em epígrafe. 
Um verdadeiro documento de bom grado; indispensável aos que almejam saber e, sobretudo compreender as razões e  os porquês  de uma Missão Velha  sempre em constante mutação. Quem sabe, um lenitivo a priori para os que entendem a importância da preservação da memória histórica do seu berço. Ou ainda, talvez um álibi. Um grito de protesto a posteriori a ecoar no deserto das incompreensões sociopolíticas e afins... No sentido de chamar a atenção dos que ainda se deixam ser tocados pela sensibilidade ante a certeza de que  ninguém pode assegurar seu futuro desprezando sua própria história. 
"Documentos para à história de Missão Velha", em última análise, há de ser o imperativo categórico de um Kant  caririense a propor ideias, ética e conhecimentos, além de apontar  caminhos. Sem os quais, a força do esquecimento venceria fácil a memória. E a ignorância devoraria de vez a inteligência total. 
Porque, como de resto, só se eterniza de fato e se mantêm; quem de fato, se permite conhecer, ser semente e ser raiz.
Meus sinceros votos de parabéns ao autor pela empreitada árdua desta obra que bem sei que não fora tarefa das mais fáceis.
<> Prof. José Cícero
Aurora - CE.
www.prosaeversojc.blogspot.com
SERVIÇO:
LANÇAMENTO -
17 de março de 2018, às 19:00 horas
Local: Câmara Municipal de Missão Velha - CE.
Rua Padre Cicero, S/Nº. – Centro

domingo, 17 de setembro de 2017

DEFENSORIA DE AURORA PROMOVEU NESTE DOMINGO NA CASA DE CULTURA O PROJETO ‘DEFENSORIA NA PRAÇA’

A defensoria pública de Aurora  tendo a frente o seu representante o Dr. Francisco Pereira Torres com o apoio de outros parceiros locais  promoveu na manhã deste domingo(17) na Casa da Cultura no centro da cidade o projeto denominado de  “Defensoria na praça”. 
Trata-se uma iniciativa das mais pioneiras que tem como um dos seus principais objetivos, o de  facilitar o acesso da justiça  às pessoas que dela  precisam , notadamente os mais  necessitados tanto da cidade quanto das mais distantes localidades  da zona rural.  O que conforme explicou o defensor  Dr. Torres,  representa dentre outras coisas  a concretização de um dos direitos fundamentais do cidadão.

A ação deste domingo  foi  apenas a primeira de uma série  que está sendo planejada pela equipe da defensoria pública de Aurora  que  em breve deverá ser realizada  no bairro Araçá e nos distritos.  Além  da presença do defensor que esteve atendendo, vários advogados e estagiários do direito  também participaram com voluntários do acontecimento.

Diversas questões relacionadas  ao melhoramento do acesso à justiça, além de orientações e esclarecimentos ligados ao direito dos cidadãos foram alguns dos serviços prestados à comunidade.

Um café da manhã organizado pele Buffet da Meire Calixto também foi oferecido  na oportunidade a todos os participaram do acontecimento. Está de parabéns a defensoria de Aurora, bem como todos os que contribuíram direto e indiretamente com esta  interessante ação de cidadania.
<><> Da Redação do Blog da Aurora.
www.blogdaaurorajc.blogspot.com
fotos: J.Charles(Secult)

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Dra. NAILDE PINHEIRO E SEU DISCURSO DE GRATIDÃO...

- Por José Cícero
Não acredito em quase nada que não tenha raízes profundas fincadas no solo sagrado das suas origens e no esteio de suas simplicidades. Porque são elas(as raízes)  quem alicerçam os sentimentos mais latentes e dão sustentabilidade efetiva e verdadeira ao amor, à bondade e à felicidade de uma vida inteira. 
Esta assertiva se sedimentou ainda mais em mim quando ouvi  atendo e absorvido o discurso de abertura  da audiência pública sobre Biometria eleitoral(Identificação Biométrica) ocorrida na manhã de hoje quinta-feira(31)  pela  ilustre filha de Aurora – Dra. Nailde Pinheiro(foto),  competente desembargadora e atualmente presidenta do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE).
Simples, modesta e profundamente humana na sua forma de ver o mundo e de lidar com as pessoas, não apenas os seus conterrâneos; Dra.Nailde  como se percebe difere naturalmente daquilo que chamamos de 'lugar-comum'  em que, infelizmente, muitos se deixam estar-transformar  pela força avassaladora  das vaidades e do orgulho.  
Sua fala de abertura do evento,  foi deveras tocante ao ponto de mexer com as emoções de muitos que ali se fizeram presentes para prestigiar in loco a presença de uma importante mulher – Uma aurorense de boa cepa.
Ao falar das suas origens na bucólica Várzea de Pedra, da luta dos seus pais, das suas primeiras letras alfabetizada que foi  pelas mãos de antigas e nunca esquecidas professoras desta terra, Dra. Nailde fez com que muitos dos que ali estavam se transportassem no tempo passado e também  se vissem como em vídeo-tape por meio das suas palavras.  Seu discurso, não obstante exíguo,  foi-nos verdadeiramente uma viagem memorialista... Bom demais!
Dizer da sua infinita gratidão para com todos aqueles que contribuíram para a sua formação foi algo, ao meu juízo, um tanto quanto tocante e comovente, posto que não é comum, notadamente nos tempos  hodiernos quando  muitos ao contrário desta aurorense humanista e vencedora,  optam em geral  pelo esquecimento do seu chão ancestral, bem como  dos contemporâneos dos anos idos. Muitas vezes, até mesmo com certa vergonha de dizer de onde veio, quiçá encantados demais pelo  ilusório canto de sereia... Não se dando conta de que tudo na vida é efêmero e transitório.  
Acho,  por tudo isso, que a gratidão verdadeira se constitui como uma das mais importantes e essenciais virtudes dos seres humanos. E, diria que isso nossa conterrânea possui de sobra...
Por esta razão, sempre admirei  sobremaneira,  não somente a história de luta de vitórias desta mulher da mais pura exceção, como igualmente,  o seu gesto prático de humildade e consideração para com os seus semelhantes.
Que Deus na sua  incomensurável  bondade prossiga  concedendo-lhe muita sabedoria, saúde, longevidade e prosperidades,  tanto em espírito quanto em matéria.
Parabéns!
...........................
Prof. José Cícero
Sec. de Cultura e Turismo
foto: Paulo Magá (Secult)

sábado, 31 de dezembro de 2016

Prefeitura inaugura Casarão do Cel. Xavier sob os aplausos da população














Gestão do prefeito Adaiton Macedo por intermédio da sua secretaria de cultura e turismo  inaugurou na noite de ontem(30) a Casa da Cultura Moacir S. Pinto e Centro Cultural Aldemir Martins 


Sexta-feira, 30 penúltimo dia da gestão do prefeito Adailton Macedo 
quase no apagar das luzes Aurora ainda recebia uma grande obra popular, diga-se de passagem com muita pompa e alegria. Trata-se do Casarão do Cel. Francisco Xavier de Souza(antiga Cnec) agora completamente restaurado e mantidas suas características originais. 
Um trabalho que ficou belíssimo na opinião de todos quantos 
participaram do grande acontecimento inaugural ocorrido na noite de sexa.
Um prédio centenário que antes corria o risco de cair e de se perder para sempre um pedaço importante não apernas da história arquitetônica de Aurora, mas de toda a região. Adquirido pela gestão municipal(assim como a casa do agente da Reffesa onde hoje funciona a sede da Secult) o casarão do Cel. Xavier constitui - conforme disse o secretário José Cícero em sua fala, o que há de mais autêntico ainda presente, da rica historiografia aurorense de meados do século XIX. Algo que não podia passar despercebido pela geração do presente e tampouco desaparecer como estaria destinado, caso não fosse a ação providencial desta gestão. O casarão portanto é um testemunho vivo de parte significativa da história de Aurora e região, acentuou.
O prédio agora, lindamente decorado e revitalizado recebeu a denominação de Casa da Cultura Moacir Soares Pinto e Centro Cultural Aldemir Martins(dois filhos da terra) sendo devidamente transformado num dos mais festejados equipamentos culturais da cidade abrigando dentre outras coisas: o museu municipal, a sede da banda de música Sr. Menino Deus, o auditório Dona Santô e a escola de música maestro Esmerindo Cabrinha da Silva. Também oportunizará espaço para exposições temáticas permanentes e temporárias, artes e ofícios no sentindo de fomentar o desenvolvimento cultural do município, disse o secretário. 
A solenidade foi prestigiada por um grande número de pessoas, além de muitas autoridades dentre as quais a vice-prefeita Mariquinha, o ex-prefeito João de Zeca e o prefeito eleito Júnior Macedo, bem como todos os secretários da gestão. A banda de música municipal fez a abertura da solenidade ao executar, além dos hinos nacional e do município belos dobrados do passado. Fizeram uso da palavra o secretário de cultura professor José Cícero e o prefeito José Adailton Macedo. 
O padre Antonio José - pároco da cidade, realizou a benção do prédio diante da multidão que se fez presente.
Segundo o prefeito e o próprio secretário, os recursos para à obra 
foi fruto de emenda parlamentar conseguida através do deputado federal Mauro Benevides, contando também com o apoio logístico do ilustre aurorense Francisco Sobreira(Gato) presidente da Associação dos ex-funcionários situada da Reffesa na capital cearense.
O mais lamentável, porém foi a ausência de qualquer familiar ou representante do homenageado, inclusive, a curiosa falta do vereador proponente da homenagem que, além de não se fazer presente sequer realizou qualquer contato com a organização acerca do acontecimento. 
O que por sua vez demonstra o grau de sensibilidade 
contida numa iniciativa desta envergadura histórica quando não há sequer o comparecimento como deveria. Algo que devia ser encarado com maior desvelo e critério nas inciativas futuras. 
Mas nada disso tirou o alto brilho do acontecimento - e as imagens falam mais do que mil palavras.
Parabéns Aurora pela preservação de uma parte fundamental 
da sua história, posto que tudo começou ali.
______
# Da Redação do Blog de Aurora.
fotos Luiz Neto

Google+ Followers