domingo, 14 de julho de 2013

AURORA EM MEMÓRIA: Cel. Francisco Xavier de Sousa 166 anos de morte, 216 de nascimento

Cel. Francisco Xavier de Sousa(acervo JC )

Francisco Xavier de Sousa: De Aracati à Aurora.
Da Aurora à Ipueiras

Nascido na vila de Santa Cruz em Aracati-CE no ano da graça de 1797. Era filho do português  Manoel Vieira de Melo e  Maria Ignácia Bezerra. Segundo alguns poucos relatos históricos  foi abandonado pelo pai, que resolveu ir morar em Campos dos Goitacases-RJ.
Ainda  em Aracati casou pela primeira vez(alguns historiadores afirmavam que era apenas amasiado) com  Maria Joaquina Xavier de Sousa(da Silva), com a qual tivera quatro filhos.
Muito pouco se sabe como ficaram os seus quatro filhos no Aracati: (Agostinho, Alexandre, Elena e Maria Xavier Bezerra).
Rumores davam conta, inclusive de que a tal ‘esposa’ era uma mulher de muitas posses.
Uma vez viúvo resolveu tentar a sorte pelas bandas do Cariri cearense. Mas sem antes viajar ao Rio de Janeiro onde conseguiu ludibriar a então madrasta ficando assim, com a fortuna do pai,  bem como o fizera com a da sua suposta esposa no Aracati.
Uns dizem que ficou viúvo. Outros, entretanto, afirmavam que, motivado por outros interesses  resolveu  pôr  fim ao relacionamento, rumando em seguida para o interior.
Mas o certo é que de fato como fez o pai, abandonara igualmente  o Aracati  em favor da Venda d’Aurora possivelmente entre os anos de  1828 a 1831.
O grande fluxo de produtos e  mercadorias caririenses que chegavam ao porto do Aracati fê-lo decidir por tentar a sorte por aquelas bandas.
A aventura, portanto,  estava apenas começando.
A viagem para o Cariri
Aurora antiga - pintura de Arnaldo das Ingazeiras (acervo JC)

Enfim partira. Primeiro visitou a cidade do Icó na época importante entreposto comercial interligando o sertão e o litoral. Era por assim dizer, já naquele tempo, uma vila das mais promissoras em se tratando da economia do Ceará. De vez a  mais rica e próspera de toda a região.  Em 1838, o Crato,  por exemplo, segundo assinalou Gardner, botânico escocês que por aqui passara, possuía apenas um terço do tamanho do Icó.

Não gostara do lugar. Suas ambições eram bem  maiores do que o rebuliço dos tropeiros e a efervescência comercial daquela vila lamacenta nos invernos, além de quente e poeirenta durante as estiagens.
Porém, pelas informações que obteve o Cariri, era um sinal de bonança e de fartura. E as fartas águas do Salgado que  ele observava  pelo caminho durante a  viagem,  animavam ainda mais o seu desiderato. Logo chegaria ao seu destino, onde  ansiava construir com unhas e dentes   o  seu “eldorado” interiorano.
E não se arrependeu do que viu, experimentou e viveu... Além de ousado, ambicioso e inteligente, foi também um cidadão de muita sorte.

 E foi justamente isso que   perseguiu por toda a sua vida. Estava determinado a realizar seu grande sonho. Foi  ao encontro da sua utopia.  Seguiu o riscado geográfico do rio caririense, como fizeram os primeiro colonizadores do grande vale. O rio que, diga-se de passagem, naqueles tempos ainda era perene, correndo, portanto, o ano inteiro na direção do grande Jaguaribe. Que assim como o audacioso Xavier, também queria ser grande, imenso, ganhar o mundo, virar mar...
Ainda que preciso fosse recomeçar do zero.  Era, como se nota, um homem capcioso e determinado naquilo que realmente acreditava...  
Foi em frente, interior à dentro seguindo as veredas  na direção do Cariri.
Em boa parte logo após o Jaguaribe, margeou o Salgado em seu caminho natural como  faziam por todo o ano os almocreves e viajantes. Avistou coisas novas trocou idéias e dinheiro com os transeuntes que transportavam as riquezas econômicas da  região para o litoral.
 Entusiasmado, chegou por fim  na Venda – antigo topônimo da então vila de Aurora. Gostou do que viu. Solo bom, água farta. Poucas almas e um mundão de terras propícias para o criatório e lavoura(principalmente cana de açúcar e algodão). Quis saber se ali ainda havia terras devolutas por ali.
Clima ameno, com ventos aprazíveis vindos do Araripe. Matas virgens, calmaria  e águas. Muitas águas... Um claro sinal de fartura como indicativo para uma prosperidade tida como certa. Quase um presente bem ao alcance das mãos. Um verdadeiro oásis quase sem ninguém para tomar conta e fazê-lo produzir a contento pela força do trabalho. Eis a fazenda logradouro da Venda.
Um lugarejo já meio famoso, em virtude da conhecida  taberna de comida, de descanso e beberagem sempre utilizada por  mascates e almocreves.
Pelo jeito, se agradara de chofre, da antiga Venda da fazenda Logradouro.  Parada quase obrigatória para todos os que iam e vinham  quase todos os dias do Crato-Icó-Fortaleza. Além de ligação permanente entre os viajantes do Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e, até mesmo do Piauí e Pernambuco.
Um bom lugar que ele avaliou como altamente promissor.  Estava por fim decidido.
Seu destino estava selado. Uma nova história de vida estava prestes a começar ali.
Estava entusiasmado, além de embevecido pelas novas descobertas que o fascinavam a cada dia mais e mais.
Venda d'Aurora: Aquarela de José dos Reis Carvalho(1859)

Assim como os tropeiros reabasteciam suas tropas, o então alferes Francisco Xavier  reabasteceu seus ânimos,  além do seu  sonho de fazer fortuna e se tornar grande. Talvez ali mesmo, na Venda que beirava o Salgado  tenha alimentado sua maior utopia. Quer seja a  de iniciar uma vila, uma cidade, bem aos moldes do Icó ou mesmo da sua Aracati que ficaram para trás.
Seu coração se encheu ainda mais de confiança quando conheceu o lugarejo da Venda pela primeira vez sob os auspícios do alferes João Luís Tavares, irmão do seu futuro sogro.

Foi neste momento que provavelmente, conhecera a lendária Aurora – a suposta proprietária da taberna. Dizem que foi a partir daquele instante histórico que se afeiçoou da lendária e controversa mulher. Muito bonita por sinal.
Ao certo nada se sabe, além das ilações historiográficas de uns e da discordância de outros.
Neste particular, diria que, tanto a lenda quanto o folclore andam muito próximas do que poderíamos descobrir como verdade a alimentar a imaginação dos homens  em geral  e da histórica em particular.

Uma vez no lugar, quis saber dos donos daquelas terras. Fora informado que as mesmas pertenciam  a um certo padre. Um religioso extremamente zeloso com as coisas de Deus e, sobretudo com as suas.
Um sacerdote que pelo jeito não suportava sozinho a solidão daqueles grotões  quase esquecidos de tudo e de todos,  naquele  oco do mundo.  Alguém  que amou, além da conta a humana raça.  Ao ponto  de, na mais  lídima expressão do termo, ter cumprido fielmente a assertiva bíblica que diz: “Crescei e multiplicai”.  Quebrando assim o medievo dogma do celibato.
De modo que, além dos quatro filhos que tivera com a amásia Josefa Leonor da Encarnação para as bandas do Crato, tivera mais outros dois  na rica ribeira da Venda. Quer sejam: o alferes João Luís Tavares e Davi Cardoso dos Santos. 
O Padre Antonio Leite de Oliveira - O Pioneiro:

Antonio Leite de Oliveira era seu nome. Filho de um outro padre, o jesuíta português – Alexandre Leite de Oliveira. Dono de muitas terras nas redondezas da Venda, além de engenhos de aguardente e rapaduras Rosário e Canabreiro para as bandas do Crato.
Era por sinal, avô do não menos polêmico e famoso, o padre José J. Teles Marrocos.Foi inclusive, o padre  Antonio Leite de Oliveira  o 12º vigário da paróquia de Missão Velha até o ano de 1805. Além de ter ajudado igualmente  nos trabalhos religiosos da própria Venda, onde  erigiu  na sua própria fazenda Logradouro um pequeno oratório no qual realizava ofícios,  batizados e casamentos com registros datados já nos primórdios de 1818.

O alferes Francisco Xavier de Sousa  segue sua viagem na direção do Crato:

Faz parada em Missão Velha também observando suas potencialidades e quem são os donos das terras do lugar. Enfim chegou à vila do Crato. Ficara impressionado com a natureza e as riquezas do lugar, assim como de toda a região por onde passara.
No Crato conhecera o tio da sua  futura esposa  o igualmente alferes João Luiz Tavares irmão de Davi Cardoso – filhos do padre, herdeiros do sítio logradouro.
 Na pauta uma suposta  ajuda à Pinto Madeira para a articulação da chamada  ‘guerras dos Pintos’ de 1832  
Em 1831 a convite do padre Antonio Manoel de Sousa, 1º vigário de Jardim se encontra  com Joaquim Pinto Madeira, ocasião em que  discute os preparativos com vistas à  revolução do ano seguinte (1932).  
No mesmo ano em que cegara em Aurora  conhece a filha de Davi Cardoso – Maria dos Santos Cardoso(depois Xavier de Sousa) e logo em seguida a pede em casamento. O que é aceito. Contraem matrimônio.
Rapidamente se fez um  importante  homem de negócios, notadamente como criador de gado, dono de engenho e produtor rural. Além de privar da amizade pessoas importantes da política  e do poder da capital.
Queria, além de fazer fortuna, fundar um grande povoado. O que segundo, João Brígido, um dia terminou confidenciando  para um amigo que não seria difícil. Faria uso de uma capela com  missas aos domingos, um comércio de bebidas  e muitas mulheres da vida. Há quem diga que foi exatamente assim que procedeu...
Polêmicas à parte, o certo é que a antiga Venda floresceu!
Antigo casarão construido em 1831 pelo Cel. Xavier

Do seu 2º casamento com D. Maria dos Santos Xavier – tivera mais quatro filhos. A saber: Aristides Xavier de Sousa( com 15 anos em 1854)  – que após deixar Aurora se tronou o grande patriarca da estirpe Xavier a partir do núcleo genealógico da Ipueiras, distrito de Serrita  no estado do  Pernambuco.
Em seguida,  Antonio Xavier de Sousa 11 anos em 1854, Carminda Xavier de Sousa.
Provavelmente falecida de cólera ainda em tenra idade foi sepultada  em plena caatinga distante do núcleo urbano, cuja catacumba ainda existe até hoje no sítio Tunga a cerca de 8 km da sede.
É provável que a jovem Carminda tenha sido apenas uma das tantas vítimas  da terrível  epidemia de cólera que 1864 se abateu sobre boa parte da região do Cariri(incluindo Milagres, Aurora e lavras).
Catacumba da filha do Cel. Xavier no sítio Tunga de Aurora
O último filho foi  Francisca Xavier de Sousa com 7 anos em 1854. (Mª do Socorro C. Xavier – A saga de um clã Xavier). (Oral: Sr. Vila Gonçalves).
Próximo de 1836 tentou  mudar o nome da então vila de Venda pelo de Xavielina(ou Xavielinda),  mas a proposta não vingou, visto que não caiu no gosto nem dos poucos moradores e, tampouco dos que passavam pelo lugar.
Visão do velho casarão e da igreja matriz de Aurora

Antecedentes Genealógicos:

Com a morte do sogro, torna-se herdeiro da fazenda Logradouro onde edifica um imponente  casarão(1831) – um dos mais importantes da região,  onde residiu até próximo do seu falecimento(1847) quando se mudara para o Crato e depois  Missão Velha onde já residia o seu  1º filho nascido em Aurora Aristides Xavier de Sousa,

então casado com  Maria do Carmo Teixeira natural do Icó.

Na Venda bem ao lado do sobrado, também construiu um oratório fato ocorrido em 1837 em cumprimento a uma promessa feita pela esposa na intenção do Sr. Menino Deus – atual  padroeiro da cidade. 
Com o passar do tempo o  tal oratório se tornou capela e depois igreja matriz.  Que para o seu patrimônio o cel. Xavier  doara cerca de 300 braças de terra. Deste modo é que até  hoje é considerado  fundador ou co-fundador do núcleo urbano de Aurora, ao lado do padre Antonio Leite de Oliveira, por seu turno, avô da sua esposa – Maria dos Santos Xavier de Sousa. Além de Benedito José dos Santos(Preto Benedito) que, com esmolas e a ajuda do próprio Imperador Dom Pedro II,  posteriormente, construir defronte a antiga Venda de D. Aurora a capela dedicada a sua Benedito à margem do rio no lugar “Aurora Velha
Ainda com relação ao cel. Francisco Xavier de Sousa. No conturbado ano de 1841 envia cerca de 100 homens,  reforçando as tropas que combatiam os sediosos do Exu-PE.
Logo se  tornou rico e influentes nas hostes políticas da região e da capital da província. Tanto que chegou alferes, virou coronel e morreu como comandante superior da guarda nacional, cujo documento oficial de posse no cargo é datado de 1844, portanto três anos antes do seu falecimento.
Morreu  como diziam naquele tempo, ‘de passamento’,  ataque cardíaco no dia 19 de julho de 1847 aos 50 anos. O documento relativo ao seu óbito encontra-se ainda hoje nos arquivo eclesiásticos  da igreja matriz  de São José em Missão Velha-CE.  
Sua viúva, porém só veio contrair novas núpcias em 1853  na cidade do Crato com o capitão José Joaquim de Macedo.
Já o filho Aristides após a morte do pai e  depois de residir alguns anos em Missão Velha mudou-se definitivamente para o Pernambuco quando comprara  a uma herdeira de Barbalha,  sob a indicação do coronel Chico Romão(seu compadre) da Serrita as terras   onde fundara a vila de Ipueiras.  Sua primeira esposa havia falecido em 1876.
Estirpe da Família Xavier da Ipueiras  c/ Aristides Xavier ao centro

Na Ipueiras pernambucana casara pela segunda vez com Ana Benigna de Barros  natural de Serra Talhada-PE, falecida em 1893. Aristides Xavier de Sousa(aurorense de boa cepa) o patriarca da Ipueiras faleceu em 1898 na Ipueiras, atual distrito de Serrita-PE.

Foi o cel. Francisco Xavier de Sousa, a partir da antiga Venda d’Aurora, o grande patriarca genealógico dos Xavier na região meridional do Cariri cearense, seguido  na Ipueiras pernambucana pelo seu  filho,  nascido em Aurora -  Aristides Xavier de Sousa.
Descendem por exemplo do varão fundador de Aurora as ramificações familiares: Xavier Pinto, Gonçalves Pinto, Saraiva Xavier, Cardoso de Alencar, Xavier Quezado, , Grangeiro, Santana, Martins dentre outras.
Por tudo isso, há que se dizer, em última instância, que a família Xavier é de fato, uma história que nunca passa...
Nem haverá de passar nunca, posto que se mantêm eternamente viva e pulsante, tanto  na mente, quanto  no coração de todos os seus descendentes onde quer que estejam.
................................................
(*)Bibliografia:
 Aurora, História e Folclore – Amarílio Gonçalves
A Saga de um Clã Xavier - Mª do Socorro C. Xavier
Notícias Históricas de Aurora – Joaryvar Macedo
O Cariri – Irineu Pinheiro
Revista do Instituto do Ceará.
M.Velha: Nossa terra, nossa gente - Célia Magalhães
Algumas Origens do Ceará – Antonio Bezerra
Waldery Ucoa – Anuário do Ceará
Revista Aurora/07
O Araripe
Revista Itayrera
Fragmento:
Renato Braga
George Gadner
João Brígido
Antonio Martins Filho
Napoleão Tavares Neves
Ionney Sampaio
Informações orais.
------------------------------
(*) Por José Cícero -
Escritor, Pesquisador e Poeta
Secretário de Cultura e Turismo
Aurora - CE.
LEIA MAIS EM:
e no Facebook

Um comentário:

Luan Torres disse...

No seguinte trecho: "construir defronte a antiga Venda de D. Aurora a capela dedicada a sua Benedito à margem do rio no lugar “Aurora Velha"". Me bateu a pergunta,onde ficava a venda? E qual o nome da capela? E outra pergunta, onde está enterrado o Coronel Xavier? Obrigado. Ótimo texto

Google+ Followers