terça-feira, 12 de julho de 2011

Um Tributo ao filósofo Nietzsche

Por José Cícero

Qual o sentido do mundo das idéias ainda hoje, não fosse a consistente contribuição oferecida ao longo da história humana pela filosofia? Sem ela, seria quase impossível sequer imaginarmos o homem nas suas diversas relações contemporâneas e num contexto cada vez mais conflituoso e exigente do ponto de vista da evolução, sobretudo no aspecto do pensamento intelectual, tecnológico e científico.
Posto que todas as ciências já conhecidas e investigadas mantêm suas bases e fundamentos ontológicos solidamente alicerçados no lastro do saber filosófico, num corolário de idéias que nos remetem aos antigos filósofos gregos da natureza e sofistas; num diapasão que vai desde Tales de Mileto, Demócrito e Heráclito até Sócrates, Platão e Aristóteles. Mas, o que ‘cargas d’águas’ esse comentário tem a ver com o pensador alemão, o chamado “filósofo póstumo” que sempre insistiu na assertiva de que “Deus está morto” e que “o evangelho morreu na cruz”?!
Ora, como resposta óbvia e ululante, digamos que este filósofo chamado Nietzsche foi igualmente para a filosofia mundial e a existencialista do século XIX em particular, o mesmo que a filosofia desde priscas eras fora para a ciência de um modo geral. Ao ponto que depois dele o pensamento filosófico, sobretudo o ocidental nunca mais seria o mesmo. Foi na lídima expressão da palavra um inegável divisor de águas em torno do qual se coloca todo o viés do processo histórico com que a filosofia ainda hoje se apresenta diante do mundo real, dos sentidos e das idéias.
Como sempre ocorreu com todos os grandes pensadores da humanidade, suas idéias tanto dividiram quanto reaproximaram opiniões as mais eqüidistantes possíveis, sendo ainda nos dias atuais aplaudido e odiado por diferentes correntes de pensamento da sociedade hodierna. Identificado com a mesma crítica e a visão de mundo com que se notabilizou o seu compatriota Schopenhauer, o filósofo Friedrich Nietzsche manteve toda sua filosofia baseada no ateísmo insubmisso e niilista regado a ácidas críticas quase sempre dirigidas de maneira recorrente à religião, a fé e ao cristianismo, a quem considerava contrários à natureza humana.
A repercussão das suas idéias fez surgir em várias partes da Europa uma atmosfera diferente de admiração, constestação e ódio a sua pessoa, mas de certa forma impulsionara toda uma rediscussão de muitos dos principais valores de então no campo da moral e da ética.
No rol dos seus ideários quase axiomáticos imaginemos qual tipo de reação sofrera naquela ocasião em que se arriscava dizer a uma sociedade atrasada e dogmática que “Deus estava morto e como o criamos, também coletivamente ajudamos a matá-lo”. Cunhou conceitos e epigramas com a mesma força que se produz um postulado, como o da Transvalorização de Todos os valores; do Eterno Retorno; da Fórmula de Grandeza do Homem na qual sentenciava que devemos amar tudo aquilo que não se pode evitar.
Ainda o do Super-homem que seria conforme ele, um ser puro e único justamente pela firmeza de caráter e pelo pleno domínio sobre suas paixões, bem como a chamada sentença de Granito que se resumiu em: “torna-te quem tu és”, entre muitos outros.
Via a esperança como o pior dos males, dado promover e prolongar o sofrimento humano. A única recompensa dos mortos, para ele, era não ter que morrer nunca mais. Qualquer forma de piedade ou compaixão era uma agressão na ótica nietizschiana. Vivenciava a liberdade com extremado senso prático.
Para ele, ser livre impunha: não ter nenhum lar, nenhum horário a cumprir, nem posição social a zelar. Como também nenhum salário por pagar(e/ou por receber), nenhum filho, enfim, viver a procura das verdades interiores, como as únicas que existem que interessam e que merecem crédito.
Tudo o que é oscilante achava que devia ser empurrado ao precipício. Apenas o que era sólido, decidido, objetivo e prático importava. Na sua “Gaia Ciência” dizia que certos homens necessitam de inimigos sinceros, tanto quanto de escravos já que eles sofrem de um ardente desejo de ser louvados como semi-deuses terrenos. Por esta razão idiota, adoram tanto os que os bajulas e mentem, assim como os que o glorificam, adulam e elogiam.
E mais: que o castigo tem por objetivo melhorar aquele que castiga. também que a força e a fraqueza no ser humano podem ser vistas somente pela sua quantidade de fé.Qual o sinal de libertação? Respondia Nietzsche: “não mais se envergonhar diante de si próprio. Pois o espírito de um homem se constrói a partir de suas escolhas”.
Deste modo, assumia a liberdade como uma das necessidades mais importantes do gênero humano. Cada um devia errar ou acertas por si mesmo, como um primado das únicas verdades que existem r que fazem sentido: ou seja, rodas aquelas que escolhemos para nos mesmos sem a ingerência, a coação ou a imposição de mais ninguém.Mas o que é que o homem na verdade sabe sobre si mesmo?
E o que é a verdade? Nietzsche costumava fazer estas indagações metafísicas o tempo todo como um intenso mergulho dentro de si mesmo; tentando quem sabe, rebuscar primeiro a sua verdade transcendental para depois permitir que os outros o imitassem, podendo assim, cada um ‘parir suas próprias idéias e resposta’ para as interrogações do mundo e da vida a nossa volta.
Por fim, afirmava: “a verdade é um erro sem o qual ninguém consegue viver, porém as verdades mais importantes são as que descobrimos para nós mesmos”.
E o amor? Quase um celibatário, o pensador alemão achava ser o estado em que os homens têm mais possibilidade de ver as coisas como elas não são. Foi um solitário, mas ressaltava em alto e bom som que a sua solidão foi escolhida por ele e não ao contrário. Sua solidão era a um só tempo, companheira e produtiva para seu espírito que estava o tempo todo na busca de evoluir e alçar vôos cada vez mais longos e superiores ao da fauna humana, na sua grande maioria, medíocre, falsa, deplorável e imoral.
Afinal, sentenciava que “nunca estamos senão em nossa própria companhia”. Quase como uma espécie de condenação repetia em seu Zaratustra que a humanidade não podia mais ser poupada da cruel visão de se ver a si própria despida à mesa da dessecação moral.
Para ele o bom era tudo o que aumentava no homem o sentimento de poder e o mau, tudo o que nasce da fraqueza. Definia a felicidade, como a certeza de que o poder cresce ante a sensação de ver e sentir cada resistência a ser vencida.
A vida era simplesmente uma morte prolongada e encarava toda a dor e o sofrimento como atributos necessários ao aperfeiçoamento do próprio homem. Abominava os sem-visão, os medíocres e os ignorantes travestidos de qualquer coisa menos inteligência e bom-senso; por isso afirmava escrever para a minoria e para o futuro, pois a humanidade não era digna sequer do seu desprezo. Por vezes repetiu que toda a sua obra era para os que pensavam que com o passar do tempo iriam ser a exceção.
Se auto-intitulava de um homem póstumo. O que de certo modo o foi, ao seu jeito surreal, singular. Uma figura além do seu tempo que anteviu muitas situações afora aos seus conceitos filosóficos de vanguarda.
Ante uma sucessão de discussões por ele levantadas…Questões psicológica, humanas e sociais que tempos depois o mundo assombrado com o que ele dissera e pôs nos seus livros, o aplaude agora como um dos mais importantes pensadores de todos os tempos. Uma pena que todos os homens são mortais…Nenhum resiste a inexorabilidade dos anos, do tempo e da idade.
Friedrich Wilhelm Nietzsche nasceu no dia da graça de 15 de outubro de 1844 na Alemanha, em Rocken vila próxima de Leipzig. Aos 24 anos escreveu sua primeira obra “o nascimento da tragédia” quando já era professor universitário. Nunca se fixou em lugar algum e desse modo peregrinou pela Europa inteira “querendo curar a sua dor, investigando quantas verdades sua pessoas poderia suportar”.
Em 1889 foi acometido de um ataque psíquico sendo internado num sanatório de onde numa mais pôde sair e, tampouco se curar, vindo a falecer neste local em agosto de 1900 aos 56 anos. Seu legado bibliográfico é extenso do qual podemos mencionar algumas de suas obras mais significativas como: “ O anticristo”, Além da verdade e da Mentira; Demasiadamente Humano; Assim falou Zaratustra, Aurora, Além do bem e do mal, Eco Homo, A Gaia Ciência, Genealogia da Moral, Considerações Extemporâneas, dentre outras.
(*)José Cícero
Professor, Poeta e escritor
Secretário de Cultura
Aurora – CE.
LEIA MAIS EM:

Nenhum comentário:

Google+ Followers