sexta-feira, 14 de maio de 2010

Poesia: Tributo ao poeta Mário Quintana*


Por José CíceroQUINTANARES


Quintana!
Poeta maior dos sentimentos
Mais sentidos.

Versos livres
pleno universo.
Quintana velho
Poeta escravo
Artesão do estro
Construindo à esmo
Por entre os verdes pampas

entre seus dedos
Amores, sensações

paixões e sentimentos.
Corações partidos.
Poeta Mário!
Sentimentalismo
Do mundo inteiro.
Tecelão da palavra
tessitura do belo verso

poema do chão
nascido já sem medo.
Velho Mário!
Pescador de gestos
Brado solto ecoando
Pelo vento.
Vocábulos garimpados
No caudaloso leito

calmo sem perigo
Do seu grande rio.
Mário Quintana!
Superlativo temático
De tudo que existe.
Gesto supremo
Impregnando de sentido prático
As coisas que os brutos
Imaginam não fazer sentido.
Mário poeta!
Quintanares expressos
Em palimpsestos .
Altivo gesto
Diante de tudo

como de resto: grito...
Nudez das metáforas
Pecados e sacrilégios.
Anjos decaídos.
Afagos.
anos passados
linhas de rastros
versos dispersos
Num emaranhado de segredos.

Trilhos de ferro
rugas do tempo
gasto, disperdiçado.
Sobre os semblantes

dos tristes.
Poeta Mário!
Alegria dos dias idos
Saudosos.

Mário poesia.
Caudalosos rios
A escorrer entre os anos
Feitos lágrimas quentes
Fontes termais
Dos nossos mais extremos
Exageros.
Mário Quintana!
Poeta do mundo:
Brasileiro.

JC - In Versos Dispersos(inédito 2010)

Nenhum comentário:

Google+ Followers