terça-feira, 24 de junho de 2014

AURORA, padre Cícero e as minas do Coxá: Uma história que não quer calar! – Por José Cícero*

Floro Bartolomeu, conde Adolfo e jagunços nas demarcações do Coxá  1908
Vista panorâmica do alto serrote do Coxá de Aurora-CE.
Caminho na caatinga, via de acesso na direção do cume do serrote do Coxá
Alicerces da capelinha sendo construida a pe. Cícero ao lado da jazida
Ponto mais alto do serrote onde se situam as minas do Coxá
Umas das incursões de Floro Bartolomeu ao centro da foto
Estátua do Pe.Cícero no Coxá
Famosas não apenas pelos minérios que até hoje se escondem no seu subsolo e protegidas por um serrote íngreme e belo rodeado de caatinga densa, as minas do Coxá de Aurora ao que parece, ainda constituem um grande mistério. Um enigma atemporal como um constante acerto de contas do passado com o presente em nome das utopias do futuro.
Uma verdadeira saga sertaneja que por mais de um século de  história tem alimentado de causos e contos fantásticos as vastas narrativas da crônica caririense e nordestina. Assim como de aventuras e sonhos de riquezas,  a imaginação  de todos quantos de algum modo são tocados pelos encantos do seu rico chão. Como se ver, uma página das mais palpitantes da nossa história regional, cuja escrita ainda não se concluiu no seu todo.
No passado pertenceram ao padre Cícero Romão que as adquiriu, segundo dizem, por compra junto aos sitiantes do lugar, provavelmente antes de 1903. Entretanto, a sua posse legal constitui-se por anos a fio como  um dos mais  ferrenhos  litígios daquela época fazendo com  que sua demarcação definitiva se desse pela força das armas e à revelia da lei. 
Há quem diga, inclusive, que só pela imposição do bacamarte de Floro Bartolomeu e seus jagunços. Durante a polêmica demarcação de 1908 a questão não apenas se resolveu no papel, mas igualmente, as terras da  mina, como do seu entorno haviam ‘dado cria como reses’  no dizer do povo do sertão.  Sua área total  era em torno de 3.410 hectares englobando os sítios: Coxá, Contendas, Escondidos(Izaíras), Taveira e Bandeira, estando localizada entre os municípios de Aurora e Milagres.
Ademais, por um desses caprichos do destino o momento da demarcação ocorreu simultâneo a outro episódio dramático da história de Aurora e quiçá do próprio Cariri, - o famoso “Fogo do Taveira” - ambiente contíguo ao Coxá que por força de Marica Macedo culminou com a deposição do então intendente municipal  -  Antonio Leite Teixeira Neto (Totonho de Monte Alegre).  Além do que se sucedeu, isto é, a célebre  invasão e saque da cidade por mais de seiscentos jagunços sob o comando direto de Zé Inácio do Barro, a mando de vários coronéis e outros potentados do Cariri. 
Porém, entre coincidência, trama e oportunismo, a verdade dos fatos há de ficar, decerto, com as duas últimas opções; por uma questão muito simples. Quer seja:  não existe coincidência para à história. A menos que esta venha a ser transformada por capricho dos poderosos numa farsa, quase sempre à serviço dos vencedores.  Isso porque, nenhuma mentira histórica até hoje permaneceu incólume ou se sustentou indefinidamente ao teste inexorável dos anos. 
Cumpre ainda ressaltar que, (coincidência ou não), com a deposição de Teixeira Neto pelas armas, incontinenti colocaram em seu lugar o coronel Cândido do Pavão – compadre, amigo e rendeiro do padre Cícero, o responsável em Aurora pelas imensas  terras do Pavão - farta propriedade do sacerdote,  que se estendiam  por  cerca de três léguas de cada lado do rio Salgado. Ato contínuo, um dos mais produtivos celeiros agrícolas destes rincões.
Dr. Floro e Pe. Cícero
Diga-se de passagem, ainda, que a demarcação das minas do Coxá, foi por assim dizer, o grande palco  de estréia através  do qual o Dr. Floro Bartolomeu  da Costa apareceu pela primeira vez  no cenário político do Cariri,  pelo menos com o seu incontestável naipe de liderança. 
E pelo jeito gostou, seguiu e não desceu jamais. 
“A mina do Coxá, podia não conter nenhum cobre, mas fez a fortuna política de Floro Bartolomeu”, assim escreveu Rui Facó na sua obra seminal ‘Cangaceiros e Fanáticos’, por sinal, um dos livros mais emblemáticos e importantes da literatura Nordestina. Diria que leitura obrigatória para quem almeja compreender os sertões e o Nordeste em suas complexidades políticas e sociais.

Cerca de 13 km separam a sede de Aurora das velhas jazidas do Coxá  que, por sinal encontram-se ligadas geograficamenteao Sul com os sítio Antas e o não menos famoso serrote do Diamante, que passou à história como um dos lugares escolhidos por Lampião e seu bando para se esconder e descansar quando das vezes que estiveram no território de Aurora. Todos acoitados e na segurança do coronel Izaías Arruda, Zé Cardoso e Miguel Saraiva. Trata-se do primeiro acampamento antes dos cangaceiros chegarem à fazenda Ipueiras onde se deu toda a trama com vistas à invasão de Mossoró em 1927.
Bando de Lampião após invasão
Sem esquecer que daquele riacho, ou seja, do sítio Antas pelo menos quatro cangaceiros/jagunços compuseram o temível bando de Massilon  e em seguida, o de Lampião quando da malograda invasão à cidade norte-rio-grandense. A saber: Zé Cocô, José de Lúcio, Antonio Soares e Zé de Roque.
Naquele tempo, tais minas foram denominadas de “Jazida cuprífera Zaíra” numa referência à filha do engenheiro de minas francês, o conde Adolfo Van de Brule(amigo de Floro conhecido na Bahia por volta de 1905) que pela primeira vez ventilou com a possibilidade de haver ouro, cobre e outros minérios naquelas terras distantes de tudo, quase inóspitas do Coxá da Aurora.   
E que aliás, fez o velho taumaturgo do Juazeiro acreditar piamente nesta possibilidade. Para tanto, sob a ótica analista do conde Adolfo gastou uma soma significativa na ânsia de ver tal projeto de exploração em pleno curso. Uma investida inglória, como se percebeu ao longo dos anos.Contudo não desistira. 
Até que em 1910 quando tudo parecia caminhar para este propósito, um poderoso sindicato francês do ramo de mineração sob os apelos de De Brule enviara por fim um comissão de especialistas. Estava decidido  a assumir os negócios das minas do Coxá. O velho padre ficara exultante pelo acontecimento. Parte do pessoal francês já se encontrava na cidade    de  Milagres nos rumos do serrote quando o pior aconteceu. O chefe do projeto Dr. Frochot acometido de febre amarela terminou falecendo subitamente  no Recife onde estava hospedado antes de vir à Aurora.   
Uma desgraça. A empreitada se desfez, mesmo antes de começar. Desiludido o padre empreendeu esforços desde então, no sentido de vender o quanto antes o Coxá.  Mas foram em vão. Não encontrou nenhum comprador mesmo escrevendo longas missivas de apresentação, até mesmo à exploradores do exterior.
Estava deveras predestinado a morrer com as suas minas.
Como uma maldição, desde o desenlace do decano sacerdote muitas outras disputadas ainda haveriam de se suceder sobre aquelas terras. A paz do Coxá ainda estaria distante, assim como sua completa exploração mineral. As disputas seguiram a partir dos próprios inventariantes, até se chegar a grande peleja(anos depois) entre os Fernandes e os Macambiras que disputavam a posse das furnas na mesma ribeira.
De sorte que ainda hoje, a situação relacionada às minas do Coxá não se encontra completamente bem resolvida. Fragmentada em várias porções de terras e sítios, as antigas minas do Coxá ainda se mantêm tanto nebulosas quanto indefinidas em seus desdobramentos futuros e também atuais.
Rocha encontrada na jazida do Coxá
De maneira  tal que, ainda conseguem mexer com os ânimos e a imaginação, não somente dos que se debruçam a estudar sua história, mas inclusive dos que ainda alimentam o antigo sonho de extrair para si todas as riquezas que aquele serrote encerra.  
Muito se fala. Pouco se sabe. Nada se faz de concreto. 
Volta e meia, no entanto, homens e máquinas da tal CPRM*  são vistos  rasgando o serrote, em explosões,  perfurações e outras ações inusitadas que no mais das vezes não se combinam com a antiga tranquilidade sonora da bela serra. Deixando, ao contrário do passado, um longo rastro de destruição na mata virgem.  Infelizmente num dos últimos pedaços do bioma sertanejo, onde a caatinga com sua flora e fauna  ainda se encontra relativamente preservada. Algo difícil de se presenciar nos dias atuais em toda a  região. 
E ninguém sabe nada. Nada se ver, nada se diz,  nada se pergunta. Tudo é segredo. Um clássico top secret que se instalou nos sertões destes grotões caririenses.
Tudo é silêncio. Tudo é mistério. Como de mistério é a própria história... E de silêncio e solidão tudo o mais que se relaciona e diz respeito à  serra do Coxá em seu itinerário bucólico do mais puro realismo fantástico.

JC e equipe em pesquisa no Coxá
Quem sabe por isso, devotos de “padim Ciço” residentes nos sítios circunvizinhos ao serrote, num esforço conjunto acabam de colocar uma estátua do padre no cume mais alto da serra. Num local de difícil acesso em face dos enormes blocos de pedras e o emaranhado da mata fechada e espinhenta.  
Do cume do serrote é possível enxergar toda a região,  numa visão privilegiada, em um raio de 360 graus. Uma visão das mais belas e estonteantes do Cariri. Como se estivéssemos todos a estender as mãos e o  olhar sobre Aurora e o próprio vale lá embaixo  ao  lado  do velho padre.
Um pouco mais abaixo da estátua já edificada  os moradores estão a construir uma capelinha também em sua  homenagem. Quem sabe, uma esperança baseada no 'eterno retorno'. Como se todos, num sentimento uníssono e coletivo compartilhassem da ideia de devolvê-lo o quanto antes as suas terras de antigamente. 
Portanto, como se percebe, o esquecimento não caberá jamais na rica história das minas do Coxá. Uma história que de tão rica, arrebatadora e instigante, desde muito se confunde com a própria história do Cariri.
.....................................................
Prof. José Cícero
Pesquisador do Cangaço.
Aurora - CE.
fotos: Jc e arquivo da Internet.
......................................................................
(*) CPRM:  O Serviço Geológico do Brasil ou CPRM, nome fantasia advindo da razão social Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, é uma empresa pública que está diretamente ligada a Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral (SGM) do Ministério de Minas e Energia.
LEIA MAIS EM:

Um comentário:

Geraldo disse...

Ótimo artigo. Valorizando sua terra sem fanatismo

Google+ Followers