terça-feira, 30 de junho de 2009

Prefeitura de Aurora realiza com recorde de público o seu 1º Festal Junino


A cidade de Aurora comemorou na noite de ontem(segunda-feira) dia 29 o seu 1º Festal Junino – Festival Municipal de Quadrilhas Juninas em alusão ao tadicional dia de São Pedro. O evento ocorreu na praça do colégio Monsenhor no bairro Araçá numa promoção da Prefeitura Municipal através da Secretaria de Cultura, Turismo e Desporto – Seculte.
Cerca de oito agremiações brincantes participaram do festival, algumas apenas a nível de apresentação especial, como foi o caso da quadrilhas “Arraiá do Padre Cícero do distrito de Ingazeiras e a quadrilha “do cumpadre Zé” composta por pessoas da 3ª idade, assistidas pela secretaria de ação social. Participaram da disputa as seguintes equipes: Chapéu de Palha do distrito de Tipi, Comadre Elza e Filhos do Sertão na categoria adulta(ambas da sede/Araçá). Na modalidade infanto-juvenil participaram: O Canto do Sabiá(colégio Romão Sabiá), Filhos do Sertão Mirim e ainda família Busca-pé do Araçá/Guedes Martins.
Por motivo de saúde o prefeito Adailtron Macedo não pode comparecer ao evento sendo representado na ocasião pelo secretário de obras Antonio Macedo. Estiveram presentes os secretários de agricultura José Dácio, de Finanças José Joaquim dos Santos, de Administração Osasco Gonçalves e da Cultura José Cícero, além de assessores da gestão “O povo Construindo o novo”. “Como percebemos, foi um evento primoroso por uma série de motivos, dentre os quais a participação grandiosa da população. Tranqüilidade, seguranças e organização também foram itens a serm ressaltados. Sem esquecer a forma espetacular, e a performance com que as quadrilhas se apresentaram no centro da praça. Uma prova de que Aurora de fato gosta de cultura, e da preservação das suas raízes sóco-culturais de um modo geral. Já temos o aval do prefeito Adailton de que no próximo ano, o II Festal Junino será ainda maior com uma série de inovações. Só temos então que agradecer a todos os que de algum modo participaram e contribuíram com o nosso evento, que no fundo é um movimento de revitalização e resgate das nossas manifestações folclóricas e tradicionais” conclui o secretário de Cultura José Cícero.
Uma premiação jamais vista foi disponibilizados pela gestão municipal para os destaques e vencedores da competição. Além do oferecimento de toda uma infra-estrutura necessária a realização da festividade. Foram também ofertados aos vencedores de cada categoria belíssimos troféus e certificados de participação a todas as equipes envolvidas. “A praça estava uma maravilha, nunca vi uma organização tão bonita, com cenário e organização” disse o jovem José Adriano morador do Araçá.
A Seculte preparaou toda uma ornamentação especial, contendo as cores da tradição junina, bem como um cenário dos mais interessantes com réplicas de residências interioranas e sertanejas adornadas com objetos e utensílios do cotidiano nordestino. O centro da praça virou o palco da festejança circulado por uma platéia de aproximadamente 4 mil pessoas que se acotovelavam no meio da multidão.
A praça ficou literalmente pequena para tanta gente interessadas em acompanhar todas as apresentações, disse uma das organizadoras do evento Gracielle Gomes.
“Tudo foi uma trabalheira só, mas valeu a pena, afinal de contas o público e a população aprovaram, e isso era a nossa meta” disse ela.
A estrutura de palco para a festa dançante logo após o festival também constitui um detalhe a parte. Duas bandas de forró se apresentaram até o sol raiar: Eclipse do Forró e Forró na Veia.
Todas as quadrilhas se apresentaram com muita elegância e animação o que se tornou ainda mais difícil o trabalho avaliativo dos jurados. Coreografias estilizadas, cenários, trilha sonora com músicas tradicionais e passos especiais constituíram boa parte das apresentações. No final, após a apuração dos quesitos foram apontados os seguintes resultados:
Resultado final do Festal Junino 2009
CATEGORIA INFANTIL - presidenta da mesa: profª Socorro Lobo
1º Lugar – Canto do sabiá mirim_________________148 pontos
2º Lugar – Filhos do Sertão mirim _______________143 pontos
3º Lugar – Família Buscapé_____________________128 pontos
CATEGORIA ADULTA – Presidente da mesa : Raimundo Camila
1ºLugar –Filhos do Sertão ____________991 pontos
2º Lugar-Comadre elza_______________888 pontos
3ºLugar-Chapéu de palha_____________834 pontos
PROGRAMAÇÃO
APRESENTAÇÃO DE QUADRILHAS INFANTIS
18:00 h- Quadrilha Família Busca-pé
18:20 h- Quadrilha O Canto do Sabiá
18:40 h- Quadrilha Os Filhos do Sertão
APRESENTAÇÃO:
19:00 h- QUADRILHA DA 3ª IDADE (Participação Especial)
19:20 h- QUADRILHA DE INGAZEIRAS (Participação Especial)
APRESENTAÇÃO DE QUADRILHAS ADULTAS
19:55 h- Quadrilha Comadre Elza
20:30 h- Quadrilha Os Filhos do Sertão
21:05 h- Quadrilha Chapéu de Palha
21:40 h- Solenidade entrega de Premiação.
Em seguida aconteceu uma super Festa dançante com muito forró para a população com:
Eclipse do Forró
Forró na Veia.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

SECULTE e Prefeitura realizam show de forró na praça do Monsenhor no Araçá




fotos agência Salgadiana/RA *Festividades Juninas/São João em Aurora-CE
Grande evento alusivo a São João movimenta noite de quarta-feira em Aurora
A Prefeitura municipal de Aurora por intermédio da sua secretaria de Cultura, Turismo e Esporte(seculte), realizou na noite da última quarta-feira, 24 um super show forró Popular em comemoração a passagem do dia de São João. O evento aconteceu na praça Santos Dumont no bairro Araçá o mais populoso da cidade. Mesmo após as festividades anteriores da noite de São João e com um dia de trabalho pela frente pessoas da sede e zona rural, assim como de cidades vizinhas compareceram ao acontecimento; o que foi motivo de muita alegria e contentamento de todos os que compõem a Seculte, pasta responsável pela organização d e todo o evento. Sob a animação das bandas: Forró Sacanear e Forró Lapada a Secretaria de Cultura do município iniciou as comemorações juninas, uma das mais tradicionais do Cariri Oriental.
Festal Junino, edição 2009
Dia 29 segunda-feira, acontece a 1ª edição do FESTAL JUNINO – Festival Municipal de Quadrilhas Juninas de Aurora com duas modalidades de disputa: Adulta e Infantil.
Na categoria quadrilhas adultas, serão premiadas as três primeiras quadrilhas colocadas com 3.000,00 , 2.000,00 e 1.000,00 reais, respectivamente.
Já na disputa infantil, a premiação será de: 700,00 ; 500,00 e 300,00 para os 1º, 2º e 3º lugares, respectivamente. Além de troféus e certificados de participação. Na noite do dia 29, segunda-feira a Prefeitura realiza, além do Festal Junino mais um grande forró com as participações das bandas: Eclipse do Forró e Forró na Veia.
Ruas, praças e avenidas receberam uma ornamentação especial com as cores das festividades juninas, uma forma de se assinalar a passagem de tão importante data em Aurora. A praça Santos Dumont, local dos festejos, também recebeu um colorido mais que especial, segundo informou o secretário de Cultura José Cícero.
Mais de 5 mil pessoas estão sendo esperadas para acompanhar todo o desenrolar das festividades este ano. O prefeito Adailton Macedo, por sua vezs, não esconde suas satisfação em promover, resgatar e incentivar esta que é uma das mais importantes das manifestações populares de toda a região caririense. O aurorense em essência, é um povo profundamente identificado com a alegria e participação efetiva nos momentos festivos e religiosos, explicou.
“ Não mediremos esforços em fazer do Festal Junino uma das festividades mais organizadas e animadas dos últimos anos. Tudo voltado para o bem-estar da nossa municipalidade e visitantes”, disse a coordenação do evento. “O lazer e o entretenimento sadio correspondem não apenas a um direito do cidadão, como também a uma necessidade da sociedade... e quando isso se alia a história assim como ao resgate e preservação do folclore, bem como das nossas tradições populares, estaremos desta forma promovendo e valorizando um forte instrumento de cidadania, posto que Cultura também é isso, educação, saúde entre outros valores sociais, enfatizou o secretario da Seculte-Aurora.
Quadrilhas Juninas Participantes:
Participam este ano do Festal Junino as agremiações brincantes da sede e zona rural com destaque para a Comadre Elza, Filhos do Sertão, bem como Chapéu de Palha do distrito de Tipi. Além das quadrilhas Juninas infantis, tais como: Família Busca-pé, Filhos do Sertão Mirins e Canto do Sabiá(colégio Romão Sabiá) e pau de fogo. Também se apresentam à guisa de participação especial, o Arraiá do Padre Cícero do distrito de Ingazeiras e o Arraiá da 3ª Idade (quadrilha do Cumpade Zé) composta pelos idosos assistidos pela secretaria de Ação Social do município
Da redação do Blog d'Aurora.

sábado, 20 de junho de 2009

Quadrilha da 3ª Idade abriu Oficialmente em AURORA nesta sexta-feira as comemorações juninas de 2009



Secretaria de Ação Social em parceria com a Casa da Família(CRAS) e Prefeitura promovem a festa junina da 3ª Idade nesta sexta-feira no Centro Social Urbano(CSU) de Aurora.
Num clima de muita animação a Secretaria de Ação Social em parceria com a Casa da Família promoveu nesta sexta-feira na cidade de Aurora as comemorações juninas de 2009. O evento aconteceu no salão do CSU com a apresentação da Quadrilha da terceira Idade – "Arraiá da melhor idade - quadrilha do cumpre Zé" formada por integrantes do Clube do Idoso assistido pela gestão municipal.
Foi uma apresentação de encher os olhos, disse o vereador Chico Henrique um dos vários convidados presentes. O colorido e a organização, além da alegria e muita comida típica, foram por assim dizer, o ponto alto da festa explicou a coordenação da iniciativa.
O Centro Social Urbano(CSU) pareceu pequeno diante do grande número de pessoas que compareceu para assistir de perto a festança junina. Para tanto, a prefeitura disponibilizou transportes exclusivos para que a população pudesse se deslocar até o local da festividade.
Após a apresentação da quadrilha, a animação continuou com Sebastian dos teclados e seu conjunto tocando muito forró de pé de serra.
Com música e muitas comidas típicas o ‘Arraiá da Melhor Idade’ abriu oficialmente as comemorações juninas de 2009 de Aurora. Por todo este mês e parte do vindouro o município viverá uma imensa programação festiva tanto na sede e zona rural.
Estiveram presentes no CSU, além do prefeito Adailton Macedo que se fez acompanhar da 1ª dama Rose, o vice Antonio Landim, os vereadores Chico Henrique, Aderlânio Macedo e Darc Landim, bem como os secretários de Administração Osasco Gonçalves, de transporte Paulo Roberto, de Agricultura José Dácio e de Cultura José Cícero. Assim como a corrdenadora do CRAS Tânia, além de assessores e autoridades locais.
Festas Juninas: Vem aí o I Festal Junino de 2009
Estão previstas para todo este mês diversas realizações festivas em todo o município, com destaque para os eventos promovidos pela gestão municipal por intermédio da Secretaria de Cultura, Turismo e Desporto(Seculte).
Dia 24 acontece a Festa de São João na praça do Araçá, sob a animação das Bandas: Forró Lapada e Forró Sacanear e no dia 29 o tradicional São Pedro também no Araçá com a realização do I Festal Junino – Festival Municipal de Quadrilhas Juninas de Aurora, com uma considerável premiação em dinheiro, medalhas e troféus para as três primeiras equipes colocados na competição. Também serão premiadas as três primeiras quadrilhas mirins. Em seguida acontece a festa popular com as bandas Forró na Veia e Eclipse do Forró.
Todas as principais ruas e avenidas da cidade estão recebendo uma ornamentação especial com as cores características das comemorações juninas a altura do que merece o povo aurorense. Quadrilhas adultas e infantis da sede e zona rural já ultimam os preparativos com vistas a participação na disputa que este ano será, a que tudo indica, será bastante acirrada.
A equipe de Seculte redobra os esforços no sentido de fazer do Festal Junino, uma das mais animadas festas juninas de toda a região do Cariri Oriental.
“O prefeito Adailton Macedo tem nos garantido toda a estrutura necessária e o aporte financeiro para que possamos oferecer aos aurorenses uma comemoração de São e de São Pedro jamais vista em nosso município, assim como foi o AurorFolia e será a semana do município”, externou o secretaria de Cultura, o professor José Cícero. “ Queremos fazer dos nossos eventos tradicionais, um momento ideal para reunir os filhos e amigos de Aurora num verdadeiro ato de congraçamento fraterno, familiar.... uma ocasião para que juntos possamos repensar coletivamente uma Aurora saudável, feliz, moderna e renovada para todos. Um para festejarmos e ao mesmo tempo matar saudade da terrinha", finalizou.
Da Redação do Blog da Aurora

sábado, 6 de junho de 2009

Meio Ambiente - Um olhar ponderado e reflexivo sobre o rio Salgado

Por: José Cícero

No dia e na semana do Meio Ambiente, nada tão importante e fundamental do que analisar a história e a situação de degradação por que passa o rio Salgado, o principal manancial do Cariri.
Na semana em que o mundo se debruça sobre a celebração do Dia do Meio Ambiente, no sentido de despertar as atenções para os graves problemas relacionados a biodiversidade e os recursos naturais nós caririenses deveríamos igualmente atentar para a situação de calamidade e penúria por que passa o maior manancial do Cariri – o rio Salgado. Fomentador natural através do qual todo o Cariri foi colonizado e se desenvolveu. No passado, o Salgado foi por assim dizer, o caminho natural em torno do qual os “desbravadores”, os almocreves, os colonizadores, dona Aurora e tudo o mais que chegou por estas bandas vieram inicialmente em função da existência do rio. Sendo até hoje sinônimo de fartura e de prosperidade. Para enfim, ser possível edificar no Sul do Ceará, este conglomerado regional-urbano situado no grande vale, o qual se convencionou denominar de o Oásis sul-cearense. Um importante pólo cultural e econômico do Ceará que, malgrado outros aspectos intrínsecos tem uma importância capital para todo o Estado.
No entanto, este processo de colonização teve seu preço: Um rastro de destruição de toda sorte para o bioma da nossa caatinga e todo o ecossistema Salgadiano. Uma história de destruição ambiental sem precedentes. O que resultou no que se tem hoje: um rio à beira do esgotamento total. Um manancial que permanece na UTI ecológica(e pasmem) diante dos olhares míopes de uma sociedade cada vez mais sedenta de riqueza/lucro e indiferente, insensível a todo o estado de degradação e morte anunciada por que passa o Salgado do nosso Cariri. Uma situação que muito bem poderia ser intitulada para um curta tragicômico - “Todo o amargor de um rio Salgado”. Tanto Aurora quanto o Cariri deve tudo ao Salgado, pena que quase ninguém ver isso...
O Salgado foi também o berço da remota grande nação dos Kariris-novos. Etnia indígena que a exemplo do próprio rio sofrera as primeiras investidas deletérias da civilização colonizadora que se formava; cega de poder e de riquezas. De tal modo, que os índios Cariris foram aos poucos sendo expulsos da sua própria terra e, consequentemente também pouco a pouco sendo exterminados. Esta foi a velha praxe dispensada pelos homem branco a todas as nações indígenas do Brasil ao longo da história. Como se essa maldade latente, permanecesse até hoje impregnada no próprio DNA da sociedade de consumo contemporânea.
Mas, digamos que o rio Salgado desde os primórdios, tem sido também uma vítima em potencial da modernidade e, consequentemente deste acelerado processo de destruição e desrespeito por meio do qual o homem branco tem se comportado em relação a quase tudo que diz respeito a natureza e aos recursos naturais.
O rio Salgado é como se fosse um livro aberto, carcomido em cujas páginas, a duras penas, ainda mantêm escrita e guardada toda uma cruzada de intensas violência e agressões efetuadas contra a natureza da região e ao ecossistema em seu entorno. O Salgado, foi a célula germinativa responsável pelo surgimento de Aurora e de toda esta vasta região. O rio Salgado é nosso ar-conquidicionado natural. É nossa ligação mais efetiva e natural como o Atlântico e, portanto, com o mundo. Quiçá até, como os deuses...
Com aproximadamente 42 km do seu leito cortando o município de Aurora de uma ponta a outra no sentido Sul-Norte, o Salgado é por assim dizer, um rio por excelência aurorense. Antes no seu nascedouro recebe o nome de Batateiras, depois de Granjeiro, Salgadinho e Missão Velha. Apenas quando adentra as terras aurorenses é que se torna grande, adulto, forte, possante, majestoso, se aprofunda e se alarga, ganhando enfim, volume de água, assumindo um aspecto digno de um rio elegante. E assim, segue seu itinerário natural, serpenteando divinamente, pelas ribeiras do Cariri Oriental espalhando fertilidade e beleza por 23 dos municípios que compõem a sua bacia hidrográfica numa extensão de quase 300 km; banhando diretamente 8 municípios. Com uma capacidade de acumulação de água superficial de cerca de 447,41 milhões de metros cúbicos com uma bacia composta por 14 açudes o Salgado deveria, só por isso ser um monumento. Somente em Aurora pouco mais de 4 mil hectares de terra são irrigados pelas águas doces do Salgado. Seguindo assim a gravidade natural do nosso chão até desaguar de vez já na altura do município de Icó, desembocando nas fímbrias do Jaguaribe a se precipitar no Castanhão e de lá, para o oceano do Atlântico. Sem antes deixar de “adoça a vida e a alma” de todo o povo caririense em especial, dos aurorenses que há muito mantêm uma relação muito estreita de amor e ternura com suas águas. Uma efetiva cumplicidade de parceiros. Aurora de fato, por tudo isso, é um presente do Salgado. O Salgado é um eterno milagre sempre a possibilitar a multiplicação do pão da terra para os seus filhos. Como se todos fossem seus eternos filhos-moradores ribeirinhos...
Quase sempre grávido de bonança, de beleza e de promessas o Salgado mata a sede, assim como alimenta/mata a fome e as necessidades dos seus protegidos. O Salgado é um instante eterno de grandezas e absolutas alegrias. O Salgado é a certeza de um recomeço sempre prometido no horizonte das esperanças sertanejas. Uma relação profunda de afeto e gratidão com os homens e mulheres que trabalham a terra, irrigando com o suor do rosto e os calos das mãos o útero da nossa caatinga. O Salgado é a mais próxima e autêntica ligação quase holísitica que existe de toda uma gente dos grotões do Cariri com o chão das nossas raízes ancestrais. A perspectiva de um futuro melhor sempre expresso no semblante, assim como no coração dos que acreditam na fartura da terra, bem como na providência divina sob a intercessão do padre Cícero e Frei Damião. O sangue da luta da nossa ancestralidade sempre a irrigar de esperança e fé a fertilidade da região, como se fosse a ponta do punhal de Virgulino - o Lampião.
O Salgado é sempre assim: um misto das coisas que sempre engrandecem para o todo e sempre o Cariri e os aurorenses onde que quer se encontrem. O Salgado é uma esperança que nunca cessa. Uma saudade. Um poema de amor. Uma ode ao nosso passado heróico. Uma esperança...
Mas, infelizmente está morrendo... Porém os seus gritos de socorro só podem ser ouvidos por aqueles que vêem mais pelos olhos da alma, da consciência, da ética e do coração. O Salgado é um estado de espírito que sempre nos eleva e fortalece. Nunca o Salgado precisou tanto dos contemporâneos. O Salgado está na UTI, prestes a entrar em coma profundo. E quando chegar a fatalidade deste dia, que já se avizinha, a situação se tornará irreversível. Será um caminho sem volta. E a natureza irá cobrar de todos nós seus honorários ecológicos com juro e correção. E a partir daí, talvez pela primeira e última vez, possamos quem sabe perceber o quão cruéis formos todos na maneira irresponsável e desarmonioza com que nos relacionamos com esta verdadeira dádiva da vida(natureza) que os céus ofereceram aos homens.
Urge portanto, que pessemos em tudo isso, enquanto ainda há tempo para alguma coisa. Um grande abismo começa a se abrir sob os nossos pés. Temos que ter olhos, consciência e ouvidos atentos para este perigo iminente.
Salvemos então o Salgado, enquanto temos condições objetivas para esta possibilidade. Já estamos quase no tempo e no ponto limite. Daqui a pouco, será um caminhos sem volta. O Salgado clama por nossa intervenção sustentável e solitária. É ele o maior símbolo de exuberância da n natureza sul caririense que nos rodeia. O Salgado é singular, sobretudo naquilo que é mais plural ou seja: o modo como sustentou toda uma geração com os seus recursos naturais sem nunca pedir nada em troca. Todo o Cariri e o Ceará como um todo mantêm uma dívida impagável com este manancial, a correr calmante sob os pés imponentes da grande Araripe.
O Salgado está morrendo. Precisa com urgência ser revitalizado juntamente com os seus afluentes. O Salgado é um exemplo de exaltação a própria vida do Planeta. Para tanto, precisamos defendê-lo como quem defende até as últimas conseqüências, o próprio filho. Do contrário, quem sabe poderemos conhecer o mesmo fim que tiveram os dinossauros. Nossa autodestruição não constitui mais uma utopia catastrófica, mas uma possibilidade real das mais previsíveis, caso não mudemos desde já, nosso modo de nos relacionar com a natureza e a biodiversidade como um todo. Defender o Salgado precisa virar prioridade de cada cidadão, uma mania inicialmente assumida com sua própria consciência como premissa básica para a cidadania e a manutenção da própria vida, de todos quanto habitam a única morada que existe para todas as espécies planetárias - A Terra. E nunca é demais afirmar que, enquanto espécie, os seres humanos também correm risco de uma extinção geral. Estamos a passos largos a caminho da autodestruição. Se a catrastrófe terrena é deveras um acontecimento cíclico, diria que estamos nos antecipando a ela.
Viva o rio Salgado e que o Salgado viva para sempre nos nossos corações e mentes. A vida da biosfera e das futuras gerações dependerão das atitudes que tomaremos agora, sem demora... Viva o Salgado, viva!

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Greve dos professores: Mais uma simples crise ou o próprio caos da nossa educação?

Por: José Cícero
Uma situação no mínimo inusitada para a educação pública cearense. Hoje, parte considerável da rede de ensino estadual vem sendo garantida a duras penas pelos chamados professores temporários ou contratados. São profissionais que mesmo não usufruindo de uma série de benefícios só garantidos aos efetivos, mesmo assim vêm se empenhando de maneira quase heróica em dá o melhor de si para a educação cearense. Algo visível principalmente no interior do estado onde a situação é deveras muito mais difícil... No entanto, neste momento, quando se instalou mais uma greve; em muitos municípios, são justamente eles, (os temporários), que continuam trabalhando como se nada estivesse acontecendo, inclusive com os efetivos, posto que estes últimos não constituem no mais das vezes, a maioria em alguns educandários interioranos. Uma situação até certo ponto, bastante 'cômoda' para o governo, que mesmo não valorizando como deveria estes profissionais, são eles que possibilitam agora pelo menos o funcionamento razoável da máquina pública da educação.
Uma campanha em favor dos professores:
Na verdade, caso esta imensa categoria tivesse minimamente organizada, seria este, um ótimo momento para o lançamento, quem sabe, de uma campanha de reivindicações mais gerais da classe. Primeiro no sentido de que fossem integralmente cumpridos todos os seus direitos, ou seja, o mesmo tratamento trabalhista assegurado aos efetivos, depois a exigência de um concurso com urgência urgentíssima em face da enorme carência verificada em todo o estado.
Nunca se sabe como o governo tocaria a estrutura de educação, não fosse a existência desta imensa gama de professores temporários/contratados atualmente espalhados pelo Ceará inteiro. Em vários municípios existem profissionais que prestam serviços nestas condições por mais de 5 anos. Portanto, não tem sentido o atual tratamento que vem sendo dispensado a estes briosos profissionais da nossa educação. Faz-se necessário, portanto, que os professores temporários de todo o estado comecem desde já a se mobilizar com vistas a melhor defender os seus direitos que, conforme a legislação, não pode destoar em essência dos demais. Aliás, onde ficará o princípio da isonomia?
Como se percebe, a paralisação dos efetivos só não comprometeu ainda mais na sua totalidade o funcionamento do sistema público estadual de ensino no interior, por conta do grande número de temporários hoje em franca atuação. No entanto, caso esse número tivesse abraçado o estado de greve, a situação seria completamente diferente, ou seja, muito pior. Esta categoria precisa o quanto antes avaliar a importância da sua função de educar, bem como das suas principais potencialidades, notadamente no aspecto de uma melhor organização e, desta maneira, reivindicar o que lhe é de direito elementar como rege a Constituição Federal. Segundo estimativa, pouco mais de 240 mil alunos em todo o Estado foram afetados pela paralisação que durou quase um mês. Sem esquecer, alguns municípios que decretaram estado de Emergência e/ou calamidade por força da quadra invernosa e que também estiveram com suas aulas paralisadas, tanto em nível municipal quanto estadual.
É preciso entretanto, utilizar todos os esforços para que os nossos estudantes não possam ser prejudicados, mais do que já foram. E, digamos que parte desta compreensão precisa vir do próprio governo. A educação é algo que, para dá certo, terá que ser fruto de um compartilhamento entre governo e sociedade. A educação é uma estrada de mão dupla que precisa ser “caminhada” de um modo efetivamente de mãos dadas e de forma absolutamente coletiva. Do contrário, correremos o risco de fracassar. O que certamente acarretará grandes prejuízos já no presente e, decerto, sérios comprometimentos para o futuro de toda uma nação que aspirar adentrar o seleto grupo dos países mais desenvolvidos das Américas e do planeta.
Entendendo o que se reivindica neste momento:
Todas as principais reivindicações do professorado do Brasil já foram asseguradas pela Lei Nacional do Piso Salarial, aprovada em julho do ano passado pelo Presidente Lula. Agora, os professores cearenses almejam que a lei seja simplesmente colocada em prática. O reajuste salarial solicitado é de 19,2%. O que conforme o comando de greve, o salário de um professor iniciante com nível médio é de R$905,00. Outra luta é pela redução da carga horária na sala de aula de forma a garantir tempo para outras atividades do professor.
E no entanto...
O curioso é que o governo do Ceará tenha discordado da própria lei defendida e sancionada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva, que no seu bojo, valoriza e assegura aos professores de todo o país a garantia do seu piso salarial. Inclusive, de um item importante: o direito de o professor ter mais tempo para estudar, pesquisar e melhor preparar suas aulas em casa. Como se vê, trata-se de uma luta histórica dos professores brasileiros que não pode ser desconsiderada.
A dupla ou até a 'tripla' jornada de trabalho dos professores é uma realidade imperiosa. Só não ver quem não quer. E o governo não pode dizer que não ver. Enquanto os professores brasileiros de um modo geral, não forem efetivamente valorizados em vários aspectos da sua missão profissional, fica cada vez mais difícil sequer acreditar que qualquer mudança possa vir acontecer no sentido da melhoria da qualidade do nosso sistema educacional. Esta preocupação deveria começar inicialmente por todos aqueles que se dizem representantes do povo. Diante disso, diria que a sociedade devia pelos menos tentar se conscientizar desta viabilidade e assim, também se juntar a esta categoria de batalhadores na perspectiva da promoção urgente de novas e efetivas mudanças no nosso sistema de educação assim como na relação e no diálogo daqueles que a fazem. Pois, nada pode ocorrer de substancial na sociedade que não tenha necessariamente que passar pelo crivo da educação. Digamos então: viva à Educação verdadeiramente de qualidade para todos. Mas antes, vejamos o que precisa ser mudado, implementado, aprimorado, garantido, aprovado, transformado...
LEIA MAIS sobre educação, língua portuguesa e a greve dos professores do estado no blog: http://www.sereducando.blogspot.com/
foto: http://srv3.v-expressa.com.br/edicoes/2007

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Meio Ambiente: Alunos do colégio Monsenhor Vicente Bezerra de AURORA participam de seminários temáticos



Estudantes do Colégio Monsenhor da cidade de Aurora nas áreas de biologia realizam seminários sobre meio ambiente
Discutir coletivamente os mais diferentes temas relacionados à Biodiversidade e os recursos naturais. Foi com este objetivo que estudantes da área de Biologia do ensino médio do Colégio Monsenhor Vicente Bezerra de Aurora na região do Cariri vêm realizando por todo este mês uma série de seminários em sala de aula. O projeto visa igualmente, enfatizar sob à guisa de comemoração da Semana internacional do Meio Ambiente. Afirmou o professor José Cícero responsável pela iniciativa. “Além de nos possibilitar uma aula diferente, dinâmica, discursiva, participativa e menos enfadonha... A promoção de seminários temáticos sobre o meio ambiente se constitui numa importante ferramenta pedagógica com a qual podemos trazer para o ambiente da escola questões relevantes relacionadas a vida do planeta”, explicou o professor.
Temas debatidos:
Os temas debatidos e apresentados em sala de aula, vão desde a problemática envolvendo o bioma da caatinga, a água no planeta, a degradação do rio Salgado, o ecossistema da Amazônia, as causas e conseqüências do aquecimento global, poluição e extinção de espécies vegetais e animais dentre outros. Ainda, conforme o professor da turma, a próxima etapa será a realização de aula de campo às margens do Salgado, principal manancial da região e que percorrer cerca de 42 km do território aurorense. Uma exposição contendo as informações obtidas, materiais e fotografias sobre o rio também farão parte da iniciativa dento do projeto “Salvemos o rio: uma visão amarga do rio Salgado”. São estudantes da 1ª, 2ª e 3ª séries do ensino médio que necessitam urgentemente construir uma visão crítica, reflexiva e preservacionista no tocante as questões diretamente relacionadas ao meio ambiente e a biodiversidade planetário a partir da realidade vivida no seu próprio município. Uma visão ecologicamente equilibrada, baseada em atitudes preservacionista e biologicamente sustentáveis, explica o professor. “Nenhuma escola poderá se dá ao luxo de não transferir para a sala de aula as grandes preocupações hoje vivenciadas pelo mundo. A escola como o centro irradiador do saber precisa está antenada com os grandes debates por que passa a sociedade de um modo geral.
Uma visão ecológica dos fatos:
De maneira tal que, nem a neutralidade e, tampouco a indiferença poderão ser aceitas como o lugar comum das iniciativas escolares do século 21” finalizou. A educação brasileira, entre muitos equívocos e pecados históricos, precisa passar urgentemente por uma alfabetização ecológica, como forma de melhoramos e aprofudarmos o entendimento e a discussão da temática ambeintal no ambeinte da escolar e no quadrilátero da sala de aula.
Educação ambiental, a caatinga e o Rio Salgado:
A educação ambiental necessita virar uma prioridade pedagógica, aliás das mais importantes.
É preciso que falamos uma grande campanha nacional em favor da biodiversudade a partir de cada realidade. Não podemos falar dos desequlíbrio climático e ambiente partindo da premissa apenas da Amazônia, da Artátida, das carlotas polares, dos EUA, de São Paulo, da China, da Savama africana, dos caçadores e baleias do Japão, do Tieté, sem a devida atenção e problematização de temas locais como o Rio Salagdo, a degradação do bioma da caatinga, das queimadas, da poluição, das sacolinhas de plásticos, dos nossos manaciais, do nosso saneamento básico, da nossa qualidade de vida profundamente ligada diretamente ligada a naturesza. Precisamos edificar uma consciência ecológica no nosso alunado como forma básica de chegarmos aos seus pais e a sociedade como um todo. Esta é uma luta que, caso não a ganhemos, todos sairemos perdendo. Temos que colocar na ordem do dia a possibilidade da introdução na grade corricular das escolas, sobretudo a pública, da disciplina de educação ambiental (Ecologia aplicada, comentada e experimentada).
A Ecologia como disciplina curricular:
Poque tanta resitência, quando o que está em jogo é a saúde do planeta e a vida de todos os seres vivos? A extição de espécies a partir das nossa fauna e flora. O nosso lixo ubano, a recliclagem, o desenvolvimento sustentável, o uso racional da nossa água, os organismos geneticamente modificados, o uso de agrotóxicos nas nossas lavouras, a desertificação, as causa e conseqüência do aquecimento global, as catrastrófes naturais.....a convivencia com a seca. Todo este debate clama por uma visão holística do mundo e das coisas como premissas básicas para novos paradigmas de convivência planetária harmoniosa entre todas as espécies.
Da Redação do Blog da Aurora

Google+ Followers